quinta-feira, 13 de maio de 2010

13 de maio - Dia da Espiga



O Dia da espiga ou Quinta-f
eira da espiga é celebrado no dia da Quinta-feira da Ascensão com um passeio matinal, em que se colhe espigas de vários cereais, flores campestres e raminhos de oliveira

para formar um ramo, a que se chama de espiga. Segundo a tradição o ramo deve ser colocado por detrás da porta de entrada, e só deve ser substituído por um novo no dia da espiga do ano seguinte.

As várias plantas que compõem a espiga têm um valor simbólico profano e um valor religioso. Crê-se que esta celebração tenha origem nas antigas tradições pagãs e esteja ligada à tradição dos Maios e das Maias.

O dia da espiga era também o "dia da hora" e considerado "o dia mais santo do ano", um dia em que não se devia trabalhar. Era chamado o dia da hora porque havia uma hora, o meio-dia, em que em que tudo parava, "as águas dos ribeiros não correm, o leite não coalha, o pão não leveda e as folhas se cruzam". Era nessa hora que se colhiam as plantas para fazer o ramo da espiga e também se colhiam as ervas medicinais. Em dias de trovoadas queimava-se um pouco da espiga no fogo da lareira para afastar os raios.

A simbologia por detrás das plantas que formam o ramo de espiga:

  • Espiga – pão;
  • Malmequer – ouro e prata;
  • Papoila – amor e vida;
  • Oliveira – azeite e paz;
  • Videira – vinho e alegria e
  • Alecrim – saúde e força.
Wikipedia (retirado do blogue Mulheres & Deusas)

"Os animais e as plantas mostrar-vos-ão o caminho para os reinos dos elementais e dos devas, os reinos naturais que são governados por forças cuja realidade não é reconhecida por vós. procurem inteligência nos crisântemos, nos grilos, nas formigas - em todas as coisas. A experiência implodirá tudo para aqueles que desejam ligar-se à Terra. A cura do planeta ocorrerá por causa da conversa e da troca entre todos os seus ocupantes."

TERRA-Chaves Pleiadianas para a Biblioteca Viva, Barbara Marciniak


O Reino de Lis-Fátima

(...)

"Uma mutação extraordinária está sucedendo na espécie humana e, paralelamente, no reino animal. Na consciência do homem está sendo implantado, em nível suprafísico, um novo código genético, proveniente de mundos incorpóreos. Esse novo código o capacitará a mover-se em consonância com o propósito evolutivo do planeta e a transcender a lei do carma material. Representa um grande passo, que encontra seu correspondente no reino animal.

O reino animal que hoje habita a Terra trouxe de suas experiências em outro ponto do cosmos uma marca profunda de desvio da Lei. Algo semelhante se deu com o reino humano, e também por isso essas vidas foram atraídas, juntas, para este planeta.

Tudo que o reino humano viveu está registrado em seu actual código genético, que necessita ser removido para que sua consciência interior se liberte. O mesmo se aplica ao reino animal. Se este não passar por profunda mutação, que lave e equilibre seu passado, não lhe será possível prosseguir na Terra sob a vibração e sob as leis que devem aqui se instaurar.

As espécies animais que não puderem dar esse salto evolutivo serão conduzidas a planetas mais primitivos. As que surgiram da interferência do homem deixarão de existir como tais, pois representam uma via em saída. Na parcela resgatável do reino animal será implantado um novo código, proveniente de mundos onde não existem competição nem agressividade, e em que a substância mental é mais moldável que a actual.

Essa operação, profundamente transformadora, tem sua base em um importante centro planetário suprafísico, Lis-Fátima. É ali que o potencial dessa mutação se dinamiza e irradia, na medida adequada, aos representantes do reino animal. E é ali que estão guardadas algumas das chaves para o aprimoramento da espécie humana." (...)

http://www.ventosdelys.com/pt/artigos/26/homens-e-animais-em-busca-da-sublime-harmonia/


Imagem: Ellen Lorien Moss, Elf