terça-feira, 7 de setembro de 2010

O PONTO DE MUTAÇÃO


Clique sobre a imagem para visionar este fantástico filme.
Os problemas que cercam o mundo: fome, miséria, pobreza, crise energética, falta de água, epidemias, violência, poluição, perda da biodiversidade etc., etc, são tantos, que chegamos, diz Fritjof Capra, à ponta do cume: é preciso a imediata e irreversível mudança de pensamentos e atitudes para que tais realidades sejam revertidas. Para ele, vale o que diz o I Ching, "no término de um período de decadência sobrevém o ponto de mutação".

Doutor em Física, cientista, ambientalista, promotor da educação ecológica, Fritjof Capra, austríaco, escreveu O Tao da Física, O Ponto de Mutação, A Teia da Vida, As Conexões Ocultas, entre outros livros que abordam temas relacionados com a ecologia e a sustentabilidade. Espécie de oráculo, o texto clássico chinês foi a inspiração de Capra para o título do seu livro “The Turning Point” (O Ponto de Mutação) que deu origem ao filme

“Mindwalk”(O Ponto de Mutação)
http://video.google.com/videoplay?docid=854094769667634943#


FRANÇA, INÍCIO DA DÉCADA DE 1990 Sonia Hoffmann (Liv Ullmann) é uma física desiludida com o rumo tomado pela ciência. Após descobrir que as suas pesquisas com microlasers estavam a ser utilizadas no projeto americano Guerra nas Estrelas, ela decidiu isolar-se num vilarejo francês para repensar a vida. Embora tendo a chance de conviver um pouco mais com a única filha, enfrenta um processo difícil nesta convivência e o atrito entre as duas acaba por acentuar-se porque as suas percepções do mundo divergem completamente. No mesmo país, na capital, vive o poeta Thomas Harrimann (John Heard). Ele abandonou a cidade de Nova York por não suportar um modo de vida mercantilizado e refugiou-se no velho mundo para recuperar da decepção profissional e de um casamento fracassado, e para tentar superar, com tranquilidade, a crise da meia-idade que o acomete. Na América no Norte, o seu amigo Jack Edwards (Sam Waterston) é um político bem sucedido. Porém, após perder as eleições para presidente dos Estados Unidos da América, sente-se esgotado, confuso em relação aos rumos de sua carreira e solicita socorro. Edwards recebe um convite de Thomas para passar uma temporada em França e o encontro dos dois com Sonia Hoffmann marca o início do conflito proposto em Ponto de Mutação. O cenário onde a trama tem a sua evolução é um castelo no litoral noroeste, no alto do Mont Saint Michel, uma construção medieval localizada na fronteira com a Normandia e a Bretanha. A região é famosa por possuir a maré mais alta do mundo. Em alguns pontos, ela atinge até quinze metros e deixaria o vilarejo de Le Mont Saint Michel completamente isolado do continente, se não fosse um acesso construído para ligar a ilha à França. O local é propício para a discussão que toma toda a estória, por conter objetos que remontam à história da sociedade moderna e evocam as linhas de pensamento inerentes a ela.

Por fim, o poema de Pablo Neruda - transcrito abaixo - representa uma metáfora sobre todo o dia em que os três personagens passaram juntos e sobre o que suas vidas representavam diante das ideias em que se propuseram pensar. O poema, algo também meio distante e às vezes incompreensível, também junta a teia de relações que é a humanidade. Diante das teorias frias e puras da cientista e das ideias práticas do político, a poesia recitada pelo poeta fá-los calar e refletir sobre o que as suas vidas têm sido nesse processo, sobre como eles têm contribuído com a sua parte para o todo. A razão do pensamento científico passa a fazer sentido no calor das palavras do poeta, ao aproximar-se da vida comum e rotineira das pessoas. Além de Pablo Neruda, o filme possui, ao longo de sua construção, referências a diversos escritores, poetas, estadistas, cientistas e figuras religiosas. A integração destes pensadores é dada pelo tom da narrativa, cujo objetivo é defender um modo de vida integrado, porém, provido de essência. A vida não se resume a uma máquina e nem a uma rede de conexões bem feitas. Existe algo maior que é fruto da convivência, da vida em comum. Os argumentos de Jack, Tom e Sonia foram recheados de citações que transformaram o conteúdo científico, religioso e filosófico do filme em poesia, em diálogos permeados de sentimento e significado. Algumas das referências seguem abaixo.Ao dizer que nenhum santo se sustenta sozinho, Thomas cita parte de um poema de John Donne para Jack na entrada do castelo:
Nenhuma pessoa é uma ilha isolada;
cada um/a de nós é uma partícula do continente, uma parte da Terra(…)
E por isso não perguntes por quem os sinos dobram;
eles dobram por ti.

Este poema inspirou um romance de Ernest Hemingway, Por Quem os Sinos Dobram, que foi baseado na experiência do escritor americano como correspondente de guerra.

Poema de Pablo Neruda
recitado no filme “Ponto de Mutação”

O que uma lagosta tece lá em baixo com seus pés dourados?
Respondo que o oceano sabe.
Por quem a medusa espera em sua veste transparente?
Está esperando pelo tempo, como tu.
Quem as algas apertam em teus braços?, perguntas mais firme que uma hora e um mar certos?
Eu sei perguntas sobre a presa branca do narval e eu respondo contando como o unicórnio do mar, arpado, morre.
Perguntas sobre as plumas do rei-pescador que vibram nas puras primaveras dos mares do sul.
Quero te contar que o oceano sabe isto: que a vida, em seus estojos de jóias, é infinita como a areia incontável, pura; e o tempo, entre uvas cor de sangue tornou a pedra lisa encheu a água-viva de luz, desfez o seu nó, soltou seus fios musicais de uma cornicópia feita de infinita madrepérola.
Sou só uma rede vazia diante dos olhos humanos na escuridão e de dedos habituados à longitude do tímido globo de uma laranja. Caminho como tu, investigando as estrelas sem fim e em minha
rede, durante a noite, acordo nu. A única coisa capturada é um peixe dentro do vento.

Fonte:
http://kavorka.wordpress.com/2006/09/29/ponto-de-mutao/

Nenhum comentário: