terça-feira, 21 de setembro de 2010

CELEBRAR MABON - O EQUINÓCIO DO OUTONO


O Verão acabou, os dias tornam-se progressivamente mais curtos, e o arrefecimento da temperatura lembra-nos que é necessário ajustarmo-nos a esta transição. É o início da movimentação da energia a um nível mais interior e profundo. É uma oportunidade para tod@s nós reentrarmos no escuro útero do mundo espiritual, que traz enraizamento à nossa vida. Momento ideal para a auto-reflexão e o autoconhecimento.

É tempo de colher frutos, maduros e secos, vagens e outros alimentos que serão guardados para a estação seguinte, quando a terra nada produzirá.

Segundo festival das colheitas (o primeiro teve lugar a 1 de Agosto), é sobretudo um tempo de reconhecimento e de gratidão, de acção de graças, por toda a abundância que a Mãe Natureza providenciou para nós.

Trata-se por isso dum excelente momento para reunirmos com aquelas e aqueles que amamos, para em conjunto celebrarmos e agradecermos todas as conquistas, bênçãos e abundância recebidas ao longo do ano.

Sugiro que, caso possa, dê um passeio pelo campo. Por todo o lado, vemos a abundância e o colorido dos frutos e vagens: o vermelho das sementes da roseira brava, o negro das amoras que restam, o laranja e o castanho dos cravos túnicos, o vermelho dos medronhos, o azul das ameixas bravas e o laranja e o verde das magníficas abóboras… As macieiras, pereiras, as cepas, todas carregados de frutos. Apetece celebrar, agradecendo por toda esta beleza e abundância à Mãe Terra…

Em cada um dos oito festivais da Roda do Ano na religião Wicca existem correspondências específicas para a composição dos rituais baseadas nos simbolismos de cada época.

Plantas e frutos
Flores da época, crisântemos, cravos túnicos, ou as suas vagens e sementes, como a de roseira brava, madressilva, ameixa brava, medronho, amoras), benjoim (dizem… não sei o que é nem se existe por cá…), malmequer, mirra (desconheço…), folhas e cascas de carvalho (recomendam que apenas as caídas no chão).
Comidas típicas
Maçãs, nozes, castanhas, amêndoas, milho, amoras pretas, cravo, além de pães, tortas e outros pratos feitos a partir dos frutos da estação.
Bebidas típicas
Vinhos, cervejas, sidras, além de sumos e outras bebidas preparadas a partir dos frutos da estação (em especial a maçã).
Incensos
Cravo, patchouli, mirra, maçã, benjoim e sálvia.
Cores
Castanho, verde, laranja e amarela - cores outonais no geral.
Pedras
Cornalina, lápis-lázuli, safira e ágata amarela.

Outros elementos decorativos
Ramos de ervas secas, girassóis, folhas secas, batatas, bagas e espigas de milho.
Sobretudo, convoque o AMOR e a ALEGRIA!

Fontes: várias, da web. O meu profundo agradecimento a quem trabalhou na recolha de dados... Pelo Bem Maior!

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

GOSTOS MUITO DISCUTÍVEIS


Manhã a ver trabalhos de alunos:

“Gosto de ler, de ouvir música, de passear, de mulheres…”
Eu:
- Mulheres? São seres humanos, com sentimentos, direitos e deveres, sabia? Não coisas, não actividades…
Ele:
- Ah, sim, claro… não tinha a intenção de ofender… mas é que…
Eu:
- Não seria melhor “gosto de namorar”?...
Ele:
- Sim, sim, claro, é isso…

Não tinha mesmo nenhuma intenção de ofender. Nem teve a mais leve intuição de que poderia soar como ofensivo. Talvez até julgasse o contrário, dada a proliferação daqueles que preferem homens… Mesmo porque habitualmente as mulheres ofendem-se muito pouco com estas coisas, habituadas que estão a engolir tudo, a serem “boazinhas” e agradecidas. Ofender-se, julga a maior parte, não é "sexy"... Grande engano...

Agora vou eu experimentar:

Então, gosto de ler, de ouvir música, de passear, de homens…
- Homens?!
Não, nenhuma mulher diz isto. Nenhuma mulher gosta de “homens” a granel. Até porque o risco é muito grande:
- Sua vadia!
As mulheres gostam de UM homem, do SEU homem…



Tenham santa paciência, mas o mundo em que as mulheres vivem e o mundo em que os homens vivem não pode ser o mesmo…
(Não sei se é Marte ou Vénus, hemisfério esquerdo ou hemisfério direito. O que me parece é que é muita permissividade e deseducação a que são submetidos os meninos-homens, os tais “reis” e senhores. “Depostos”, noutro contexto.)


Ou então, vamos lá tentar outra abordagem:
Segundo Jean Markale, em LA FEMME CELTE, obra prima (escrita por um homem, notem bem!) sonegada ao nosso conhecimento*, já houve uma cultura e um tempo, reais ou sonhados, antes da ordem patriarcal se ter imposto à lei da espada, em que uma mulher, centrada na sua própria vida, na sua própria agenda, digamos, podia dizer sem medo, e com o mesmo sentido com que o faz um homem em relação a ela:


- Eu gosto de homens.

Em memória desse tempo glorioso, real ou imaginário, tanto faz, sugiro que experimentemos, queridas companheiras, até por uma questão de maior aproximação dos universos feminino e masculino…

Acredito que a “vadiagem” é, como a liberdade, um território que se vai ocupando!

* A razão da não existência duma tradução desta obra em língua portuguesa só poderá ser explicada por uma autêntica "teoria da conspiração"...
Imagem: acrílico de Alice Buis

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

terça-feira, 14 de setembro de 2010

VOCÊ TEM UM(A) AMANTE?


QUEM É A SUA OU O SEU AMANTE?
Texto de Jorge Bucay - Psicólogo

Muitas pessoas têm um(a) amante e outras gostariam de ter. Há também as que não têm, e as que tinham e perderam. Geralmente, são essas últimas que vêm ao meu consultório, para me contar que estão tristes ou que apresentam sintomas típicos de insónia, apatia, pessimismo, crises de choro, dores etc.

Contam-me que suas vidas transcorrem de forma monótona e sem perspectivas, que trabalham apenas para sobreviver e que não sabem como ocupar o tempo livre. Enfim, são várias as maneiras que encontram para dizer que estão simplesmente perdendo a esperança.


Antes de me contarem tudo isto, já haviam visitado outros consultórios, onde receberam as condolências dum diagnóstico firme: 'depressão', além da inevitável receita do anti-depressivo do momento.

Assim, depois de ouvi-las atentamente, digo-lhes que não precisam de nenhum anti-depressivo: precisam dum AMANTE! É impressionante ver a expressão dos olhos delas ao receberem o meu conselho. Há as que pensam: 'Como é possível que um profissional se atreva a sugerir uma coisa destas?!' Há também as que, chocadas e escandalizadas, se despedem e não voltam nunca mais.

Àquelas, porém, que decidem ficar e não fogem horrorizadas
, eu explico o seguinte: AMANTE é aquilo que nos 'apaixona', é o que toma conta do nosso pensamento antes de pegarmos no sono, é também aquilo que, às vezes, nos impede de dormir. O nosso AMANTE é aquilo que nos mantém distraídos em relação ao que acontece à nossa volta. É o que nos mostra o sentido e a motivação da vida.

Às vezes encontramos o nosso AMANTE no nosso parceiro, outras, em alguém que não é nosso parceiro, mas que nos desperta as maiores paixões e sensações incríveis. Também podemos encontrá-lo na pesquisa científica ou na literatura, na música, na política, no desporto, no trabalho, na necessidade de transcendência espiritual, na boa mesa, no estudo ou no prazer obsessivo do passatempo predileto...

Enfim, é 'alguém!' ou 'algo' que nos faz 'namorar a vida' e nos afasta do triste destino de 'ir levando' ! E o que é 'ir levando' ? Ir levando é ter medo de viver. É o vigiar a forma como os outros vivem, é o deixar-se dominar pela pressão, perambular por consultórios médicos, tomar remédios multicoloridos, afastar-se do que é gratificante, observar decepcionado cada ruga nova que o espelho mostra, é aborrecer-se com o calor ou com o frio, com a humidade, com o sol ou com a chuva.

“Ir levando” é adiar a possibilidade de desfrutar o hoje, fingindo contentar-se com a incerta e frágil ilusão de que talvez possamos realizar algo amanhã. Por favor, não se contente com 'ir levando', procure um(a) amante, seja também um(a) amante e um(a) protagonista... DA SUA VIDA!

Acredite: O trágico não é morrer, afinal a morte tem boa memória, e nunca se esqueceu de ninguém. O trágico é desistir de viver... Por isso, e sem mais delongas, procure um(a) amante...

A psicologia após estudar muito sobre o tema, descobriu algo transcendental: para estar satisfeito, ativo e sentir-se jovem e feliz, é preciso “namorar a vida."
(Adaptado)

http://noauge4ponto0.blogspot.com/2010/09/quem-e-o-seu-amante.html (texto e imagem)

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

GoodGuide - QUANDO CHEGARÁ A PORTUGAL?


PARA COMPRADORAS/ES CONSCIENTES
"GoodGuide garante uma compra sustentável.
Já pensou se, antes de fazer as suas compras, pudesse ter a certeza de que o produto escolhido não tinha elementos cancerígenos na sua composição? E também que a empresa que o fabricou é amiga do planeta? Pois nos Estados Unidos isso já é realidade, com o aplicativo GoodGuide para telemóveis.

Por mais que tente entender o rótulo dum produto, como saber se ele faz bem a si ou ao planeta? Será que foi fabricado com o mínimo de responsabilidade social? Qual o teor de produtos químicos? Serão alguns deles cancerígenos? Imagine descobrir isso tudo e poder assim tomar decisões inteligentes e conscientes nas suas compras, em pleno supermercado... Pode soar a coisa de outro mundo, mas no nosso já existe: chama-se GoodGuide, um aplicativo para telemóveis e iPhones que revela todos esses segredos, ali, na prateleira. Basta scanear o código de barras para que imediatamente tenha acesso a informações de conduta industrial, ecológica e de saúde, como por exemplo, se a empresa utiliza ingredientes nocivos.

O aplicativo é grátis e já arquiva actualmente mais de 60 mil produtos americanos – de champô de bebê a alimentos. Os produtos são avaliados a partir de cerca de mil critérios e cada produto entra numa categoria. Por exemplo, champôs: o critério número um é dissecar os seus ingredientes e ver quais os que são tóxicos. O segundo é saber qual o impacto que, tanto o líquido quanto a embalagem, terão no planeta, na comunidade, nos animais. E o terceiro pode ser mapear como tudo foi feito, desde a extração de uma árvore até ao processo de distribuição.

Exagero? Bem-vindo à era da Ecologia Industrial, uma nova ciência que estuda o impacto dos produtos que consumimos no planeta. Os americanos começaram a ter essa preocupação mais à flor da pele em 1997, quando se descobriu que o amado ténis da marca Nike utilizava mão-de-obra quase escrava no Vietname. A partir daí, os consumidores tornaram-se mais exigentes e as empresas passaram a rever os seus conceitos. “Além de nos preocuparmos com o que fazemos, devemos saber o que estamos a comprar – e a ciência está cada vez mais precisa, capaz de medir o impacto deste consumo”, disse em entrevista a uma rádio americana o autor Daniel Goleman, autor de Inteligência Ecológica.

GoodGuide é uma iniciativa de Dara O’Rourke, professor de políticas trabalhistas e ambientalistas da Universidade da Califórnia, em Berkeley, que um belo dia, em 2005, ao pôr protetor solar na pele do seu filho, leu atentamente o rótulo do produto. Descobriu mais tarde que um dos ingredientes era cancerígeno. Com o GoodGuide, ele quer virar o mundo de pernas para o ar. “Em vez dos departamentos de marketing das empresas dizerem aos consumidores no que eles devem acreditar, eles é que devem saber o que os consumidores desejam”, disse ele, no seu site em setembro de 2008. No seu entender, para que as indústrias sobrevivam hoje, elas devem compreender que há um ingrediente bastante saudável na sua receita de sucesso: a transparência.

QUEM CONTROLA A COMIDA CONTROLA O MUNDO



Vale a pena ver até ao fim.
Saiba o que se trama nas nossas costas e que envolve a nossa saúde e sobrevivência. Ninguém fala desse tal CODEX ALIMENTARIUS, concebido por um nazi condenado pelo tribunal de Nuremberg, criado na mais pura lógica do lucro pelos grandes interesses económicos e imposto agora ao mundo inteiro, com graves riscos para a saúde pública. 7 dos 9 pesticidas mais perigosos e proibidos em inúmeros países, por exemplo,voltam a ser legais...

terça-feira, 7 de setembro de 2010

O PONTO DE MUTAÇÃO


Clique sobre a imagem para visionar este fantástico filme.
Os problemas que cercam o mundo: fome, miséria, pobreza, crise energética, falta de água, epidemias, violência, poluição, perda da biodiversidade etc., etc, são tantos, que chegamos, diz Fritjof Capra, à ponta do cume: é preciso a imediata e irreversível mudança de pensamentos e atitudes para que tais realidades sejam revertidas. Para ele, vale o que diz o I Ching, "no término de um período de decadência sobrevém o ponto de mutação".

Doutor em Física, cientista, ambientalista, promotor da educação ecológica, Fritjof Capra, austríaco, escreveu O Tao da Física, O Ponto de Mutação, A Teia da Vida, As Conexões Ocultas, entre outros livros que abordam temas relacionados com a ecologia e a sustentabilidade. Espécie de oráculo, o texto clássico chinês foi a inspiração de Capra para o título do seu livro “The Turning Point” (O Ponto de Mutação) que deu origem ao filme

“Mindwalk”(O Ponto de Mutação)
http://video.google.com/videoplay?docid=854094769667634943#


FRANÇA, INÍCIO DA DÉCADA DE 1990 Sonia Hoffmann (Liv Ullmann) é uma física desiludida com o rumo tomado pela ciência. Após descobrir que as suas pesquisas com microlasers estavam a ser utilizadas no projeto americano Guerra nas Estrelas, ela decidiu isolar-se num vilarejo francês para repensar a vida. Embora tendo a chance de conviver um pouco mais com a única filha, enfrenta um processo difícil nesta convivência e o atrito entre as duas acaba por acentuar-se porque as suas percepções do mundo divergem completamente. No mesmo país, na capital, vive o poeta Thomas Harrimann (John Heard). Ele abandonou a cidade de Nova York por não suportar um modo de vida mercantilizado e refugiou-se no velho mundo para recuperar da decepção profissional e de um casamento fracassado, e para tentar superar, com tranquilidade, a crise da meia-idade que o acomete. Na América no Norte, o seu amigo Jack Edwards (Sam Waterston) é um político bem sucedido. Porém, após perder as eleições para presidente dos Estados Unidos da América, sente-se esgotado, confuso em relação aos rumos de sua carreira e solicita socorro. Edwards recebe um convite de Thomas para passar uma temporada em França e o encontro dos dois com Sonia Hoffmann marca o início do conflito proposto em Ponto de Mutação. O cenário onde a trama tem a sua evolução é um castelo no litoral noroeste, no alto do Mont Saint Michel, uma construção medieval localizada na fronteira com a Normandia e a Bretanha. A região é famosa por possuir a maré mais alta do mundo. Em alguns pontos, ela atinge até quinze metros e deixaria o vilarejo de Le Mont Saint Michel completamente isolado do continente, se não fosse um acesso construído para ligar a ilha à França. O local é propício para a discussão que toma toda a estória, por conter objetos que remontam à história da sociedade moderna e evocam as linhas de pensamento inerentes a ela.

Por fim, o poema de Pablo Neruda - transcrito abaixo - representa uma metáfora sobre todo o dia em que os três personagens passaram juntos e sobre o que suas vidas representavam diante das ideias em que se propuseram pensar. O poema, algo também meio distante e às vezes incompreensível, também junta a teia de relações que é a humanidade. Diante das teorias frias e puras da cientista e das ideias práticas do político, a poesia recitada pelo poeta fá-los calar e refletir sobre o que as suas vidas têm sido nesse processo, sobre como eles têm contribuído com a sua parte para o todo. A razão do pensamento científico passa a fazer sentido no calor das palavras do poeta, ao aproximar-se da vida comum e rotineira das pessoas. Além de Pablo Neruda, o filme possui, ao longo de sua construção, referências a diversos escritores, poetas, estadistas, cientistas e figuras religiosas. A integração destes pensadores é dada pelo tom da narrativa, cujo objetivo é defender um modo de vida integrado, porém, provido de essência. A vida não se resume a uma máquina e nem a uma rede de conexões bem feitas. Existe algo maior que é fruto da convivência, da vida em comum. Os argumentos de Jack, Tom e Sonia foram recheados de citações que transformaram o conteúdo científico, religioso e filosófico do filme em poesia, em diálogos permeados de sentimento e significado. Algumas das referências seguem abaixo.Ao dizer que nenhum santo se sustenta sozinho, Thomas cita parte de um poema de John Donne para Jack na entrada do castelo:
Nenhuma pessoa é uma ilha isolada;
cada um/a de nós é uma partícula do continente, uma parte da Terra(…)
E por isso não perguntes por quem os sinos dobram;
eles dobram por ti.

Este poema inspirou um romance de Ernest Hemingway, Por Quem os Sinos Dobram, que foi baseado na experiência do escritor americano como correspondente de guerra.

Poema de Pablo Neruda
recitado no filme “Ponto de Mutação”

O que uma lagosta tece lá em baixo com seus pés dourados?
Respondo que o oceano sabe.
Por quem a medusa espera em sua veste transparente?
Está esperando pelo tempo, como tu.
Quem as algas apertam em teus braços?, perguntas mais firme que uma hora e um mar certos?
Eu sei perguntas sobre a presa branca do narval e eu respondo contando como o unicórnio do mar, arpado, morre.
Perguntas sobre as plumas do rei-pescador que vibram nas puras primaveras dos mares do sul.
Quero te contar que o oceano sabe isto: que a vida, em seus estojos de jóias, é infinita como a areia incontável, pura; e o tempo, entre uvas cor de sangue tornou a pedra lisa encheu a água-viva de luz, desfez o seu nó, soltou seus fios musicais de uma cornicópia feita de infinita madrepérola.
Sou só uma rede vazia diante dos olhos humanos na escuridão e de dedos habituados à longitude do tímido globo de uma laranja. Caminho como tu, investigando as estrelas sem fim e em minha
rede, durante a noite, acordo nu. A única coisa capturada é um peixe dentro do vento.

Fonte:
http://kavorka.wordpress.com/2006/09/29/ponto-de-mutao/