quarta-feira, 4 de agosto de 2010

MORANGOS... AMARGOS!


Este é o texto tal como chegou até mim via e-mail. Não tenho maneira de comprovar se as afirmações e os dados que são fornecidos correspondem à verdade, mas... do conhecimento que temos do mundo e da realidade, ia apostar que sim. Sugiro que confirme, caso tenha dúvidas.
Sabemos que o planeta está a saque e que, para pagar o tal bem-estar a que acedemos nos últimos anos, temos um único planeta, já a acusar sinais de alto desgaste. Mas continuamos alegremente a comprar... porque é... barato! Pensamos nós. Como as crianças...
Se considera importante, divulgue! Ah, melhor que isso, cultivemos a nossa própria horta, tornemos a nossa vida sustentável!!! Aprendamos sobre PERMACULTURA!

"Morangos...
Leia, pela sua saúde !!!!
Morangos espanhóis, a nossa saúde, os outros e o ambiente...
O que já se sabe há demasiado tempo sem que ninguém faça nada
Será que os morangos espanhóis cultivados em estufas são comestíveis? A resposta é "NÃO"!

... se o único problema destes morangos produzidos em estufas fosse a falta de sabor, ainda nos poderíamos dar por felizes... Infelizmente, estes morangos apresentam outros problemas bem mais graves, a começar pelo facto de o seu cultivo cobrir cerca de seis mil hectares, dos quais uma grande parte alastra já ilegalmente pelo parque nacional de Doñana, uma extraordinária reserva de aves migradoras e nidificadoras da Europa - embora o poder regional a isso feche os olhos.
Para que estes morangos cheguem aos mercados europeus, devem ser transportados por camião e percorrer milhares de quilómetros. Cerca de 16.000 camiões fazem os percursos por ano. A uma média de dez toneladas por veículo, esses
morangos valem o seu peso em CO2 e gases nocivos ao ambiente e ao homem.

Mas os perigos desta agricultura não são só estes. Sabe o leitor como é que estes morangos espanhóis são cultivados? O morangueiro é uma planta vivaz que produz durante vários anos. Contudo, os morangueiros destinados a esta produção em estufa fora da época são destruídos todos os anos. Para dar morangos fora de época, as plantas produzidas "in vitro" são colocadas em frigoríficos no pino do Verão, a fim de simular o Inverno, o que activa a produção. No Outono, a terra arenosa é limpa e esterilizada, e a microfauna destruída por meio de bromometano (brometo de metilo) e de cloropicrina. O bromometano é um poderoso veneno proibido pelo protocolo de Montreal sobre os gases nocivos à camada de ozono.
A cloropicrina, composta de cloro e de amoníaco, não é menos perigosa, pois bloqueia os alvéolos pulmonares. Os morangueiros são cultivados em terreno coberto por plástico preto e a irrigação inclui fertilizantes, pesticidas e fungicidas. Quanto à água de irrigação, provém de furos artesianos - dos quais mais de metade já foram instalados de modo ilegal.


Tudo isto está a transformar esta parte da Andaluzia numa savana seca, provocando assim o êxodo das aves migradoras e a extinção dos últimos linces pardel, pois estes pequenos carnívoros (dos quais somente uma trintena deve subsistir ainda na região) alimentam-se de coelhos, animais também em vias de desaparecer. Por outro lado, para arranjar lugar para os morangueiros, já foram arrasados pelo menos 2.000 hectares de floresta.
A produção e a exportação destes morangos produzidos em Espanha começa um pouco antes do
fim do Inverno e termina nos princípios do mês de Junho.
Os trabalhadores devem nessa altura voltar às suas casas ou exilar-se algures em Espanha. Se contraíram doenças por causa dos produtos nocivos que respiraram, têm o direito de se tratar... à sua própria custa. A maior parte dos produtores destes morangos espanhóis utiliza mão-de-obra marroquina, trabalhadores sazonais ou clandestinos, mal pagos e alojados em condições precárias. Para se aquecerem à noite durante o Inverno, este trabalhadores queimam os
resíduos dos plásticos que cobrem os morangueiros. De qualquer modo, todos os anos no fim da época desta cultura, as cinco mil toneladas de plásticos utilizados serão levadas pelo vento, enterradas de qualquer maneira e em qualquer sítio, ou queimadas no local... Não será necessário dizer que nesta região da Andaluzia, onde prospera esta aberrante agricultura, as doenças pulmonares e de pele estão em franca progressão. Quem se preocupa com isso? Ninguém!
Por que razão os meios de comunicação não falam sobre o assunto? Mistérios do que não é política e economicamente correcto...
Quando a região tiver sido completamente vandalizada e a produção se tiver tornado demasiado onerosa, os produtores transferirão tudo para Marrocos, país onde aliás já começaram a instalar-se... Mais tarde, irão provavelmente para a China... A população europeia ainda em vida encontrar-se-à doente ou no desemprego... mas feliz por comprar
produtos baratos...

Que podemos fazer para combater esta tendência? Cada um de nós é livre de agir em consciência e com conhecimento de causa: comprar ou boicotar a compra de qualquer artigo que não seja produzido em conformidade com as leis da natureza e/ou dos direitos humanos.
Todos podemos escolher fazer um boicote pessoal. E se a maioria dos cidadãos assim procedesse, os grandes "tubarões" da economia seriam obrigados a mudar os seus métodos, sob pena de também eles porem em perigo a sua própria existência.

A escolha está nas mãos de cada cidadão!"

Nenhum comentário: