segunda-feira, 27 de julho de 2009

A riqueza da energia do lado feminino do Eu


"As histórias da antiguidade que contavam a magia da mulher, a criadora, aquela que é capaz de dar à luz, a que recebe o mistério do sangue – a força vital – e que é capaz de devolver essa força vital à Terra foram soterradas, esquecidas. Onde estão as histórias da Deusa – aquela que ama, sente e nutre? A espécie masculina costumava possuir a energia da Deusa dentro de si, também, e sente necessidade dessa energia. (...) Homens e mulheres devem complementar-se, jamais confrontarem-se. (...) Vocês não têm um panteão de imagens femininas criadoras poderosas, como o masculino, que sirva de padrão da imagem positiva da força feminina. Assim os homens esforçam-se por ser másculos e as mulheres por adquirirem a força através da vibração masculina, não possuindo nenhum dos dois uma visão clara da potência feminina. Criem essa imagem. Comecem a reconhecer a riqueza da energia do lado feminino do EU, que é intuição, receptividade, criatividade, compaixão e nutrição." (...)

in MENSAGEIROS DO AMANHECER, Barbara Marciniak

………………………………………………………………………………….

Como descrever a beleza e a sensação de plenitude que tive no Goddess Temple, em Glastonbury, com a sacerdotisa Georgina Sirett-Hardie a oficiar, ou estando lá, simplesmente, rodeada de objectos, símbolos, imagens da Deusa nas suas várias faces? Sensação de estar em casa, de ser honrada e dignificada como mulher. Aquele templo e a religião da Deusa fazem-nos sentir certas, inteiras como mulheres, não uma “metade”, legitimando a nossa presença no mundo a troco de serviços domésticos ou sexuais ou procurando o “grande” homem atrás do qual iremos ser “grandes”, engrandecidas pelo seu projecto, que assumiremos como nosso… Ali sentimos que há um projecto que é nosso de alma e coração. E quanta alma e coração, ao contrário de outros rituais focados apenas no plano mental…

Naquele lugar, sentimos como mais justas as palavras de Erich Neumann, em “A Grande Deusa”: “(…)a ameaça à humanidade actual assenta, em grande medida, no desenvolvimento patriarcal unilateral da mentalidade masculina, que não é mais compensado pelo mundo “matriarcal” da psique. (…) A sociedade ocidental precisa, a qualquer custo, chegar a uma síntese que inclua o mundo feminino, igualmente unilateral quando isolado.”



Fotos de Vanessa Oliveira

6 comentários:

Adelia Ester Maame Zimeo disse...

Luiza Querida, venha buscar seu selo em meu blog. Seu blog merece tal prêmio! Beijos. Meu afeto.

Luíza Frazão disse...

Obrigada, querida Adélia pelo seu selinho. Você é um doce e o seu blog e actividade muito interessantes. Eu recomendo muito. No actual formato do meu blog não é fácil ter selinhos ou links à vista. Você está entre os meus favoritos.

Abraço

Luíza

Luíza Frazão disse...

O meu agradecimento também para "bliss1000", blog que me distinguiu com o selinho lá em cima.

Abraço

Luíza

Queridinha disse...

Que lindo!!!! Que aula....Nossa quanta sabedoria...

Anônimo disse...

intiresno muito, obrigado

Mãos de Lótus disse...

querida Luíza
estarei em contacto com o Mundo de Avalon em Julho 2010 se Deus (e a Deusa quiserem!) foi muito útil este teu post e inspirador/trampolim motivacional. grata pela maravilhosa partilha. que a Deusa te abençoe***