quinta-feira, 9 de abril de 2009

TERRA ÚLTIMA, de ANDRÉ LOURO DE ALMEIDA


Powerpoint de apresentação

Da contracapa:

"Terra Última, um estudo sobre a Terra e o Paraíso, traça um vasto painel de revelações sobre a realidade planetária rompendo com a inércia cultural e espiritual do nosso tempo, preservando, no entanto, a essência da Tradição Primordial e dos propósitos mais elevados de todas as instituições humanas.
Cada página ressoa como um telegrama de algo que simultaneamente nos toca como totalmente familiar e íntimo e ao mesmo tempo proveniente de mundos longínquos e absolutos. A linguagem é simples e transparente, porém o leitor sente claramente que cada parágrafo se poderia desdobrar em inúmeras direcções e mistérios, sendo pois uma obra que convida a múltiplas leituras.
Num mundo à beira do caos social, económico e espiritual só um conjunto de vozes corajosas e intrépidas pode romper a névoa e anunciar os verdadeiros princípios da liberdade e da paz. André Louro de Almeida, músico, conferencista, pintor e paisagista, é considerado, por muitos, como um dos mais sérios instrutores espirituais de Portugal.
Aqui somos conduzidos numa viagem sublime aos estados últimos da matéria, da consciência e do Ser, definindo as Leis através das quais a existência divina se pode plasmar e consolidar na Terra. Desde a descrição do trabalho de conselhos interplanetários e as reacções das células à actividade do Espírito, passando por um conjunto surpreendente de revelações sobre o Destino de Portugal e de outras nações sacerdotais, esta obra contribui decisivamente para o início de um novo ciclo de compreensão sobre a real natureza da alma portuguesa e da sua localização no panorama planetário.
Terra Última é um livro profundo mas paradoxalmente leve, urgente mas amplo, pragmático mas sensível. Segundo o autor, esta primeira obra é a base de apresentação de uma série de livros posteriores que desenvolverão cada assunto aqui aflorado."

páginas - 664 | dimensão - 16x23 | reservas www.lux-citania.org
em: http://www.iridia-lumina.org/

A Vida Secreta das Abelhas


"O livro A Vida Secreta das Abelhas (The Secret Life of Bees), de Sue Monk Kidd, foi adaptado para o cinema, com estreia a 17 de Outubro (27 de Novembro em Portugal). Trata-se de um "romance sobre o poder transcendente do amor e a faceta feminina de Deus. Uma história que as mães gostarão de contar às filhas":

"Lily cresceu na convicção de que, acidentalmente, matou a mãe quando tinha apenas quatro anos. Do que então aconteceu, ela tem não só as suas próprias recordações mas também o relato do pai. Agora, aos catorze anos, tem saudades da mãe, a quem mal conheceu mas de quem recorda a ternura, e sente uma desesperada necessidade de perdão. Vive com o pai, violento e autoritário, numa quinta da Carolina do Sul, e tem apenas uma amiga, Rosaleen, uma criada negra cujo semblante severo esconde um coração doce. Na década de 60, a Carolina do Sul é um sítio onde a segregação é ainda realidade. Quando, ao tentar fazer valer o seu recém- -conquistado direito de voto, Rosaleen é presa e espancada, Lily decide agir. Fugidas à justiça e ao pai de Lily, elas seguem o rasto deixado por uma mulher que morreu dez anos antes e encontram refúgio na casa de três excêntricas irmãs apicultoras. Para Lily esta vai ser uma viagem de descoberta, não só do mundo, mas também do mistério que envolve o passado de sua mãe.

A Vida Secreta das Abelhas é um romance sobre o poder transcendente do amor e a faceta feminina de Deus. Sue Monk Kidd, ao escrever sobre o que é misterioso, e até difícil, na vida, ilumina tudo o que esta tem de maravilhoso. Ela prova que uma família pode ser encontrada nos sítios menos prováveis – talvez não sob o nosso próprio tecto, mas no sítio mágico onde encontramos o amor."

Encontrei esta informação aqui na Net, já não sei onde... O filme chamou a minha atenção ao ver a apresentação num programa da Oprah. As fabulosas actrizes, aquelas portentosas rainhas afro-americanas, só por si já valem a deslocação...
O trailler

quarta-feira, 8 de abril de 2009

O Amor é a chave...


“Ao menos uma vez na vida, todos vocês já foram tocados pelo amor, e muitos regressam regularmente à Terra unicamente para experimentarem de novo esse sentimento.
Logo que tenham encontrado aquilo que no vosso entender é importante, o que vale a pena ser acumulado, e que tenham estabelecido a lista dos valores em que acreditam, sugerirmos que reflictam sobre a importância do amor. O amor apresenta-se sob múltiplas formas e possui inúmeros sabores. Ele é a chave que abre o coração graças a uma energia provocada pelas ondas eléctricas que unem os seres, proporcionando assim uma emoção que nunca mais vão esquecer. Ao folhear o Grande Livro da Terra, constatamos, ao longo das suas páginas, que esta força invisível que vos anima e vos incita a seguir em frente é a vibração a que chamamos amor. No entanto, alguns de vós pensam estar aqui apenas para adquirirem experiência, para aprender, para reunir informações e para passar um bom bocado. Já a importância fundamental do amor parece ser algo de novo para muitos de vós. Não é que esteja errado pensar assim, mas a verdade é que compreender a frequência vibratória do amor é a vossa última lição. Para exprimir o amor e manifestá-lo, basta-vos senti-lo. Contudo, bem sabem que essa é a tarefa mais difícil de realizar. Mas todos vocês vieram aqui por causa do amor que aqui encontram, porque em qualquer outro lugar ele é tão variado, tão profundo, tão livre e tão excepcional como aqui, nos confins da Via Láctea, neste lugar chamado Terra, a “Biblioteca Viva”. “
(…)
A qualidade do amor ou do medo determina em cada instante o vosso caminho. Mesmo durante as épocas mais sombrias, aqueles que entenderam as vibrações do amor souberam sempre proteger-se e, assim, os mistérios dos ciclos da vida foram perpetuados.”
Família de Luz, Barbara Marciniak

domingo, 5 de abril de 2009

Como obter energia do vazio


Texto do cientista americano
MARK COMINGS,
do Movimento Mundial de Paz
e de Mudança para o Calendário
de 13 Luas e 28 dias (lido em Mulheres & Deusas e publicado por Ventos de Lyz)



“(…) A ciência da Energia Ponto Zero demonstra que a realidade mais benéfica é a abundância e não a escassez. Tristemente, como sabemos, todo o sistema económico mundial se baseia na escassez. Os recursos são escassos e se baseiam no medo. Fala-se que existe uma escassez de energia e que devemos competir para conseguir esses recursos limitados. Claro, é assim, se pensarmos somente a partir do petróleo puro e da energia atómica deste tipo. Todos estes métodos de produzir energia contaminam e tem resíduos daninhos para O Planeta. O problema (que na verdade não considero um problema) com a Energia Ponto Zero, é que ela é abundante e grátis. Esta tecnologia, de fato, nos permite um mundo no qual teremos toda a energia que quisermos, grátis e limpa, sem nenhum prejuízo para o planeta.

Existem várias pessoas que desenvolveram esta tecnologia e estão tendo graves problemas para trazê-la para o mercado. O problema evidente é que isso vai limitar a enorme ganância que produz a energia escassa. Eu poderia falar-lhes por horas acerca desta tecnologia e de possíveis maneiras de conseguir que ela seja de boa qualidade, mas, na verdade, desejo enfocar outro aspecto.

Quero falar-lhes sobre as implicações espirituais desta nova maneira de pensar sobre o espaço. Considero que as implicações espirituais são ainda mais revolucionárias do que as implicações económicas e outras. Considero que assim como a consciência da humanidade se eleva com novas frequências, estas tecnologias que demonstram a abundância poderão vir à luz. E digo mais: considero que isto é inevitável. A única resistência a isto é a consciência do medo, a escassez e a cobiça. Entretanto, à medida que mais e mais pessoas reconheçam a infinita abundância dentro de si mesmas, será fácil reconhecer a abundância externa.

Creio que a implicação mais importante desta maneira de considerar o espaço é saber que estamos conectados a uma fonte infinita e que esta fonte infinita é a
abundância infinita do amor e da compaixão (magnetismo, coesão). Considero que a partir desta óptica podemos ver toda a matéria como cristalizações do vazio.
Os nossos corpos, então, são complexos de assimetria no vazio, que estão sintonizados com este campo de potencial infinito.

O que os cientistas chamam energia, para os místicos chama-se espírito e consciência. A energia não é mais que apenas a superfície de um imenso oceano de espiritualidade viva. Então, em termos de nosso desenvolvimento espiritual, o mais importante é que nós devemos
acessar e nos conectar a este campo de potencialidade pura no espaço. É preciso que cheguemos a estar convencidos de que está ali, de que existe e que é infinitamente
abundante. Nossas crenças são o mais importante factor que constrói a realidade em nossas vidas. Apesar de vivermos num oceano infinito de abundância, se nós não pudermos crer nele, então não poderemos experimentar esta abundância.

As nossas crenças têm o poder de bloquear-nos e evitar que tenhamos acesso a esses campos infinitos; mas se conseguirmos crer que estamos conectados a essa fonte infinita de amor, compaixão e abundância, descobriremos que, de fato, realmente estamos e será possível, para nós, aproveitar e canalizar esta energia infinita em nossas vidas. Essa energia pode curar qualquer enfermidade, qualquer problema da mente, corpo ou espírito, porque toda enfermidade não é mais que uma função de desequilíbrio entre o corpo, a mente e o espírito. Então, a ciência agora está demonstrando cientificamente como é que sucedem os milagres e que eles de fato sucedem todos os dias. Nossa própria existência é um milagre incrível. Então, se nos damos conta da classe de milagre que é estar por aqui, experimentando este momento, qualquer outro milagre não nos surpreenderá. A intensidade de energia e de luz que nos acompanha a todo momento é imensa, enorme. O vazio está ao nosso redor, no espaço. Está cheio de luz. É uma vacuidade radiante que cria todas as formas.

Recentemente eu fiz uns cálculos acerca de quanta luz está presente ao nosso redor. Na ciência da Física Quântica, o vazio está emitindo em todo momento o que poderíamos chamar fótons de vazio. A intensidade dos fótons que provém do vazio é cem vezes a intensidade da luz da superfície do Sol. Portanto, isto é algo como nadar em luz todo o tempo. No espaço em que nos encontramos agora mesmo, há mais luz do que na superfície do Sol. E se não podemos ver isto com nossos sentidos físicos, é porque nossos sentidos físicos foram sintonizados para captar as diferenças, para notar as manifestações de matéria. Então, esta imensa luz sempre presente fica ao fundo e não a vemos com nossos olhos. Todavia, as pessoas que alcançaram níveis místicos elevados, confessaram ver enormes quantidades de luz branca.

Essa percepção que os místicos têm da luz branca foi tomada pela antiga ciência como um desequilíbrio químico raro nos cérebros destas pessoas, porque os cientistas não podiam compreender que esta luz radiante está presente sim. Agora podemos compreender que o que os místicos percebiam era a manifestação do que realmente existe. Nos estados místicos, o sistema nervoso e os sentidos estão sincronizados de maneira que se pode ver o que aparentemente não está aí.

Esta energia brilhante, sempre presente, também nos pode ajudar a explicar outros fenómenos paranormais. Agora se compreende, na ciência da Parapsicologia, que a intenção humana pode dirigir estes fótons de vazio e que, se conseguirmos sintonizar-nos suficientemente, poderemos inclusive controlar estes fótons para que eles movam a matéria, ou seja, a telecinésia, e também nos permite compreender como pessoas bem sincronizadas podem servir de canal para curar através das mãos. De fato, estas pessoas estão dirigindo conscientemente estes fótons de vazio de uma maneira que podem ser aproveitados para curar. Porém, a mais importante implicação desta nova visão do espaço como um campo infinito, é que nós podemos despojar-nos de todas nossas falsas crenças. O principal obstáculo que temos para manifestar o PARAÍSO NA TERRA é precisamente a obstinação da mente humana na limitação e na escassez. A humanidade começou a depositar sua fé na ciência destes dias, a qual descobriu o que a mente racional pode compreender. É, então, enormemente significativo que a mente racional, por fim, através da nova ciência, possa reconhecer que existe esta abundância infinita. Isto nos traz uma visão do potencial humano que é absolutamente ilimitado. Estamos sintonizados com este campo de energia infinita, mas isto também significa infinito amor e consciência infinita.

Todos os problemas no mundo são o resultado das crenças erróneas e do pensamento limitado. Se nos ensinaram que vivemos num mundo finito, com recursos finitos, que não podem ser suficientes para todos e isto chegou a ser uma realidade porque o que nós cremos logo se manifesta, é hora de mudarmos essa situação. Se cremos na escassez e na existência de recursos limitados, então o temor das pessoas de que não há recursos suficientes para todos vai provocar uma situação em que começarão a guardar mais e então, na realidade, vai haver escassez. Assim, se as pessoas guardam e conservam para si mais do que necessitam, haverá uma manifestação real de que não há o suficiente. Por isso, o problema está na consciência humana. A escassez está na consciência humana e não no Universo. Eu creio que esta nova ciência da Energia Ponto Zero, de que o vazio está repleto de energia infinita, tem como propósito liberar a mente humana da ideia de limitação e da escassez.

Quando conseguirmos convencer-nos de que a abundância é a realidade, já não necessitaremos guardar mais do que necessitamos, não mais teremos que competir, e nossa tarefa então será o compartilhar esta abundância de uma maneira amorosa e criativa. E isto mudará a aparência do mundo de uma maneira muito dramática, porque a estrutura do mundo humano está hoje baseada totalmente na crença da escassez. Agora, se esta crença (limitadora) na escassez desaparece, não haverá nada que não possamos manifestar. Só o fato de que em um centímetro cúbico de vazio existem milhões e milhões de energia, mais do que toda a raça humana poderia chegar a necessitar alguma vez, resulta absolutamente ridículo falar de escassez energética. O que temos é uma abundância energética em escala muitíssimo maior do que a mente humana poderia chegar a compreender. E, não obstante, a mente humana é tão incrível que conseguiu dentro desta infinita abundância seguir crendo na escassez. Nós temos vivido em um mundo aonde todos estamos escravizados e obrigados a trabalhar duramente para sair da escassez. Uma vez que uma massa crítica suficiente de humanos comece a operar novamente na frequência da abundância, provocará uma activação na qual todos necessitaremos trabalhar muito menos e poderemos satisfazer nossas necessidades de vestir-nos, comermos, etc com apenas uma pequena parte do esforço que temos de fazer actualmente.

(…)

O medo só existe baseado na crença da separação. Eliminar a crença na separação vai desfazer o fundamento do medo. Esta ciência do vazio nos demonstra que não há separação, que há só uma continuidade, um só corpo e um só campo de radiação. De fato, todas as manifestações materiais que nossos sentidos conseguem perceber como indivíduos, não são outra coisa que um só campo.

Tudo na Terra é um só organismo vivo. A ideia que temos de seres separados, de objetos separados e demais coisas separadas, é uma função das limitações dos nossos sentidos. É, ademais, uma função de nossa limitada capacidade para sentir. Se pudéssemos abrir nossa capacidade para sentir, abrir nosso coração, começaríamos a sentir mais além da divisão dos objectos separados. De fato, começaríamos a experimentar este Ser que é tudo o que vive no Universo e saberíamos que somos um com esse Ser. É como se o Ser Divino estivesse agora tendo este incrível sonho, sonhando com todos nós. O que está acontecendo agora é que os humanos individuais que acreditam estar separados, estão começando a despertar e a dar-se conta de que somos unos com esse Ser infinito. Como os humanos estão despertando deste sonho de separação, então todo o fundamento do medo desaparece. Portanto, creio que este novo conhecimento da ciência sobre a Energia Ponto Zero nos está ajudando a perceber com uma claridade maior a verdade espiritual da nossa unicidade.

As estruturas que constroem os humanos no mundo exterior, estruturas políticas, sociais, etc. são o reflexo fiel da estrutura na qual operamos. Portanto, se queremos mudar o mundo, a chave está em mudar as estruturas de nosso pensamento, que estão no nosso interior e veremos surgir as mudanças externas de maneira automática. Qualquer esforço de mudar o mundo sem o esforço de mudar a estrutura do nosso pensamento, do nosso interior, está também destinado ao fracasso. Assim é que a ponta de lança da nossa evolução social e cultural é nossa evolução espiritual. Trabalhando nosso interior, mudaremos nosso exterior de uma maneira natural. Portanto o que a ciência sobre a Energia Ponto Zero está enfocando é que devemos mudar primeiro a nossa estrutura interior para poder mudar as estruturas ao nosso redor. Assim começaremos a experimentar imensamente este campo de amor infinito no qual todos os seres estão mudando, crescendo e evoluindo. De fato, o que esta nova ciência nos está demonstrando, é que toda a matéria e energia são formas cristalizadas de amor. A luz é amor cristalizado e a matéria é luz cristalizada. Assim é que, no fundo, tudo está feito de amor, só que em diferente espaço ou formas. Do mesmo modo que o vapor, a água e o céu são uma coisa só, o amor, a luz e a matéria são uma coisa só: o amor que nos está sendo revelado e que nos está revelando a nós mesmos.(…)”


http://www.ventosdelys.com/pt/artigos/50/como-obter-energia-do-vazio/






Ana Cachão enviou-me um vídeo do YouTube:

Psychologist Christopher Holmes discussed the physics and metaphysics of higher consciousness and the mysteries of the heart. People have a divine spark within the heart, a kind of "zero point" center that corresponds to ideas in new science, he said. Humans work on the same physics that are applied to the universe, he explained, and consciousness is not just in the head but all through the body, and may be related to blood flow.

We exist in interpenetrating dimensions, and according to the esoteric teachings of luminaries such as H.P. Blavatsky, there are seven dimensions that include the physical, astral, and mental realms. The inner self comes down out of the higher dimensions-- one such higher realm is the sun, which is inhabited in the form of "fire bodies," he detailed, adding that a "paradise level" of spiritual existence might reside in Earth's upper atmosphere.

Holmes was critical of film projects such as The Secret, because o... mais

Imagens: Google