quinta-feira, 5 de março de 2009

Instalação dos Arquétipos Aquarianos


Sanat Kumari

Canalizado por: Ramaathis-Mam

15 de Janeiro de 2009

Começo esta mensagem dirigindo-me com amor e empatia espiritual a todos aqueles que estão colaborando com o seu trabalho pessoal com a abertura e instalação dos arquétipos aquarianos no terceiro milénio.

A partir de agora a Terra e os seus habitantes começarão a sentir gradualmente a pressão dos efeitos vibratórios nos seus corpos. O relógio cósmico evolutivo da sua galáxia está expandindo a sua influência aos sistemas solares periféricos, como o seu, para gerar um realinhamento vibratório nas suas estruturas electromagnéticas. Estão em processo de transição, e isto implica que os efeitos se irão aguçar a nível geofísico, electromagnético, psicológico, emocional e fisiológico. Os vossos corpos inferiores irão sentir cada vez mais a pressão da frequência vibratória pentadimensional que se está instalando na Terra. Os conflitos políticos, sociais e económicos que agora estão sofrendo vão agudizar-se, com a finalidade de produzir uma catarse colectiva de transformação.
As mudanças, ainda que possam parecer dramáticas, têm uma finalidade terapêutica evolutiva que vos ajudará a reflectir e a tomar decisões importantes na vossa vida. Existe um factor de base de extrema relevância, é aqui que os conflitos actuais que acontecem no vosso planeta têm uma dupla implicação: uma percentagem tem sido gerada por vós e a outra parte está relacionada com o ciclo evolutivo que foi programado para impulsionar a evolução.

Também a actual situação internacional, que tem um aspecto desanimador e desagradável, não deve aterrorizar nem contribuir para gerar dinâmicas apocalípticas. A evolução por si implica transformação para abrir novos caminhos e produzir uma abertura de consciência do ser humano aprisionado em paradigmas obsoletos e nocivos.
Devem estar conscientes de que esses processos sempre são produzidos no vosso planeta, por ser uma escola de reciclagem evolutiva, e os formatos educativos utilizados são os mais adequados para vos ajudar a sensibilizarem-se e a sintonizarem-se com a faceta espiritual da vida e da evolução. Se analisarem a história da evolução da humanidade no vosso planeta, descobrirão que a opinião dominante tem sido a decadência dos princípios espirituais que geraram dinâmicas destrutivas. Quando o ser humano se esquece da sua identidade espiritual e se desconecta do fluxo cósmico da evolução, a desintegração vai-se gerando, de forma natural. Esta é uma dinâmica que o universo utiliza para regenerar-se e harmonizar-se.
Todo o cenário evolutivo tem um objectivo de crescimento espiritual, e quando as pessoas o desconhecem, desenvolvem resistência e transgridem as suas leis, aí o universo tem que utilizar mecanismos de equilíbrio. A base e o intuito do processo evolutivo é que descubram a vossa identidade espiritual e que actuem a partir desta compreensão, gerando um vínculo de colaboração com a Fonte Divina. Vocês estão na Terra para descobrirem o que realmente são e esqueceram. A vossa viagem no tempo é um recurso que o vosso Ser Essencial utiliza para libertar os lastros evolutivos que retardam e bloqueiam o vosso crescimento espiritual.

Como sabem, o vosso sistema solar está cruzando os segmentos do cinturão antimagnético da galáxia, e os efeitos radioactivos e vibratórios irão intensificar-se nos próximos anos. Isto implica uma aceleração dos processos, que como repulsão, contribuirá para depurar os aspectos discordantes da vossa vida. Ainda que as circunstâncias possam alcançar matizes trágicas, a finalidade é gerar uma nova visão da vida. Emboea lamentem a situação actual, poucos estão dispostos a admitir que são responsáveis por isso. A metamorfose evolutiva é a chave da evolução e é um sinónimo de perseverança, autodisciplina e alerta constante para integrar os paradigmas aquarianos que geram comunicação fraterna e solidária, respeito mútuo e colaboração desinteressada para construir novas bases sociais fundamentadas nos valores espirituais.

Continua em:

http://mickbernard.blogspot.c/2009/02/transicao-vibratoria-e-suas.html

terça-feira, 3 de março de 2009

Por que sou feminista


Essencialmente por solidariedade para com todas aquelas magníficas mulheres que abriram caminhos e nos fizeram a papinha toda...

Parece óbvio que, no processo de reaverem direitos usurpados, as mulheres perderam alma. Mas a mim o que me parece é que aspectos da personalidade feminina se sobrepuseram e dominaram o panorama. Atena, sobretudo, sobrepôs-se a Deméter, a Vénus, a Héstia, a Sofia… Eram os aspectos necessários para uma afirmação no mundo, para adquirir a indispensável autonomia económica. Sem ela a dependência não acaba nunca.

Agora, reparem nos sectores onde a mulher não penetrou – militar, religioso, económico/alta finança – e vejam o caos e a ameaça…

A ilustrar, clique sobre a imagem e veja um vídeo esclarecedor e divertido sobre o modo pomposo e predador como o patriarcado tem, bem sozinho, gerido o sector de que mais se fala actualmente…

segunda-feira, 2 de março de 2009

Blogs que valem a pena...


Recebi este selinho da Adélia Ester, do blog: http://shekynah.blog.uol.com.br/

Fico muito agradecida.

Para repassar basta seguir as seguintes regras:

1- Aceitar e exibir a imagem;
2- Linkar o Blog do qual recebeu o prémio;
3- Escolher 15 Blogs para entregar os prémios.
Certo?

Apesar de ser para 15, Adélia passou para 7 blogs apenas. São eles:


- Reiki Sahashara
- Alguém na Multidão
-Sintonia da Comunicação
- De vez em quando venho aqui
- Vida de um Professor
- Transmimentos de PensAções
- Saberdesi

Quanto a mim, seleccionei 6. A razão é ter tão pouco tempo para bloguear e não achar que apenas estes valem a pena...

São eles:

MULHERES & DEUSAS

MATERMUNDI

SAGRADO-FEMININO

SEMENTEPEREGRINA

CRIANÇAPAGA

SINDROMEDEESTOCOLMO


Casamentos, hierarquia de género e instituição familiar



"A hierarquia de género é das mais profundas razões para a resistência à abertura do casamento a casais do mesmo sexo

“Vós, mulheres, sujeitai-vos a vossos maridos, como ao Senhor; porque o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é a cabeça da Igreja, sendo ele próprio o salvador do corpo. De sorte que, assim como a Igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres sejam em tudo sujeitas a seus maridos.”

Assim falava S. Paulo aos Efésios (5, 22-24). E assim durante séculos a Igreja falou. O Direito Civil também. E muitos continuam a falar. E outros a pensarem, certamente.

O Tribunal Constitucional da África do Sul, num notável acórdão relatado por um não menos notável juiz-conselheiro, Albie Sachs, decidiu em Dezembro de 2005 (…) que a lei sul-africana que definia o casamento como um contrato entre pessoas de sexo diferente era incompatível com a proibição constitucional de discriminação por orientação sexual. Deu ao Parlamento o prazo de um ano para alterar a lei, findo o qual esta passaria a ser lida, se o Parlamento não reagisse, como incluindo pessoas do mesmo sexo.

(Segue-se uma longa e interessante apresentação do juiz-conselheiro Albie Sachs,autor de várias obras de referência,e considerado um heróico “freedman fighter” sul-africano.)

O contrato de casamento – estranho contrato, aliás, por várias razões – possivelmente perderá a razão de existir, com a facilitação progressiva do divórcio (embora esta seja também uma forma de o perpetuar: muitas pessoas divorciam-se para se casarem de novo), com o desaparecimento da distinção entre filiação dita “legítima” e “ilegítima” (designação absurda entre todas) e porventura sobretudo com a inacabada mas real erosão da hierarquia de género. Esta é certamente uma das mais profundas e curiosamente mais escondidas razões para a enorme resistência à abertura do casamento a casais do mesmo sexo.

A habitualmente indiscutida complementaridade dos sexos feminino e masculino esconde mal uma diferenciação vertical, de primazia… e de autoridade. O casamento foi, até hoje, se excluirmos a prática da escravatura, a forma mais perfeita de domesticação e subordinação das mulheres. Qualquer que seja a variação histórica dos casamentos e das famílias – e é muito grande, evidentemente, daí a necessidade do uso do plural – o continuum do casamento é confundido (quimicamente falando) com a homofobia, a hierarquia de género. A sua abertura a pessoas do mesmo sexo – porventura possibilitando a reprodução de esquemas e estruturas hierárquicas, o que leva alguns a rejeitá-lo como alternativa de vida – também questiona essa “natural” desigualdade. Por isso ela é vista como subversiva, como o casamento entre pessoas de raça diferente o foi durante muito tempo: antinatural, contra os desígnios de Deus, que de outra forma não teria separado (diferenciado), como separou, os continentes… e os sexos.

A seguir, dizem os alarmados cidadãos moralizadores, virá a adopção, a perfilhação, a filiação. Mas é claro que virá, isto é, por acaso até já veio. E porque não haveria de vir? Porque as crianças têm forçosamente de se habituar à hierarquia de género, à violência conjugal e à autoridade marital? Quem deu à Psicologia a autoridade científica para estar tão segura da bondade da tríade pai-mãe-filho? A enorme violência que as famílias “normais” afinal albergam não fará as pessoas bem-intencionadas duvidar da perfeição de tais arranjos sociais? E será possível que as pessoas não saibam que não é com o casamento que virá a parentalidade de pessoas consideradas ou que se identificam como homossexuais, que obviamente já existe?”

(…)

Teresa Pizarro Beleza, Professora da Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa, in Público, 2 de Março 2009

Portais Interdimensionais

“Há, precisamente nessa incomensurável vastidão do espaço sideral, certas regiões enigmáticas que já começam a despertar a atenção dos astrónomos e principalmente dos físicos de vanguarda. Notadamente pelas suas inusitadas características que de maneira muito provável os constituam como verdadeiros "Stargates", ou portais que permitem cruzar os desconhecidos meandros do tempo e do próprio espaço..... E por onde muito mais possivelmente se locomovam os misteriosos UFOs, encurtando assim as enormes distâncias do Universo! Na foto acima você vê um desses supostos portais, baptizado pelos astrónomos como "O Olho de Deus". No seu negativo, à direita, podemos observar, bem ao centro, o seu núcleo, ou quem sabe uma espécie de túnel! Cientificamente, podemos dizer que "Stargates" são portais que conduzem de uma dimensão para outra - alinhamentos de uma poderosa energia interdimensional etérica situados entre dois pontos do espaço interestelar, os quais permitem que as suas altas energias vibracionais favoreçam não só cruzar as longas distâncias do espaço sideral, como também as enigmáticas nuances do "continuum espaço-tempo".”
http://www.dominiosfantasticos.xpg.com.br/id326.htm


domingo, 1 de março de 2009

Graça e Coragem


Diante de uma doença terminal uma mulher questiona-se sobre como vivenciou o seu feminino...

PERGUNTA-SE o que falhou na sua vida. Ela tem a intuição - e no livro fala nisso - se o facto de ter manifestado mais o seu lado masculino, razão, acção e voluntarismo, negando em parte o seu lado feminino, ou semelhança com as mulheres padrão da sua sociedade, terá ISSO contribuído para a sua doença?...

O livro em questão, Graça e Coragem, é o relato por seu marido da evolução da doença e como tudo fizeram para impedir o desfecho da sua morte...

DIZ ELA:

"Toda a área da espiritualidade feminina se encontra em branco. Muitos dos escritos de freiras foram perdidos. De qualquer forma, as mulheres não escreveram muito sobre a busca espiritual. As mulheres têm sido afastadas de posições importantes na maioria das religiões instituídas.
A espiritualidade feminina parece diferente da masculina. Menos orientada para objectivos. Pode alterar a noção do que é iluminação. Mais vasta e abrangente; mais uma vez amorfa.
A espiritualidade feminina é difícil de ver, difícil de definir. Quais são os estádios, os passos, o treino? Será que fazer croché ou malha é tão bom como a meditação para treinar a atenção e serenar a mente?
Um contínuo, com o desenvolvimento espiritual masculino num dos extremos o feminino. O masculino já foi definido, o feminino não. Montes de variações entre os extremos. Será que existem caminhos paralelos mas diferentes/separados, à la Carol Gilligan?
(…)
As mulheres que alcançaram a iluminação – conseguiram-no seguindo vias ou modelos tradicionais masculinos? Conseguiram-nos seguindo o seu próprio caminho? Como é que o encontraram? Por que tipo de conflitos, dúvidas sobre si próprias, etc., passaram para encontrarem o seu próprio caminho?
(…)
A “Deusa é uma descida, Deus é mais uma ascensão. Ambos necessários, ambos importantes. Mas há muito pouco trabalho feito sobre a descida da Deusa. Algumas excepções: Aurobindo, tantra…

(…)
Treya
In Graça e Coragem de
KEN WILLBER

Mulheres & Deusas