quarta-feira, 9 de abril de 2008

Irena Sendler

Pode ler aqui sobre esta polaca de 97 anos que apenas agora vê reconhecido o seu valor enquanto heroína da 2ª Guerra Mundial, ao salvar cerca de 2.500 crianças judias do holocausto. Um típico feito de uma mulher-Ártemis.

Entretanto, discretas, tantas vezes "engolidas" pelo seu "Zeus", como a deusa Métis*, as mulheres de valor têm frequentemente dificuldades em ser reconhecidas como tal. Mas sugiro que vá prestando atenção, pois os ventos estão mudando...

* Ver Jean Shinoda Bolen, "As Deusas e a Mulher Madura" (Livraria Spirit)
Também em: http://www.analitica.com/mujeranalitica/documentos/5740254.asp

A Mulher Ártemis


LIBERDADE – INSTINTO – DESPORTO – NATUREZA – MEIO AMBIENTE

COMUNIDADES DE MULHERES

«O arquétipo da Mulher Selvagem, bem como tudo o que está por trás dele, é o benfeitor de todas as pintoras, escritoras, escultoras, dançarinas, pensadoras, rezadeiras; de todas as que procuram e as que encontram, pois elas todas se dedicam a inventar, e essa é a principal ocupação da Mulher Selvagem. Como toda a arte, ela é visceral, não cerebral. Ela sabe rastear e correr, convocar e repelir. Ela sabe sentir, disfarçar e amar profundamente. Ela é intuitiva, típica e normativa. Ela é totalmente essencial à saúde mental e espiritual da mulher.» C.Pinkola Estés

"Até a mulher-Ártemis tem dificuldade em vivenciar a sua natureza instintiva sem sentir culpa e principalmente sem ser rejeitada pela sociedade. Em certos casos ela perdeu o seu instinto animal, ou simplesmente, não acredita mais nele.

A energia intensa deste arquétipo possui algo instintivamente selvagem que pode até ser assustador para certas mulheres (e principalmente homens), pois hoje em dia a grande maioria das mulheres ocidentais foi criada em cidades e perdeu a sua ligação com o “selvagem”. Além disso, tantos séculos de patriarcado castraram a nossa capacidade de sermos “fêmeas”. Passámos a ser umas “senhoritas limpinhas e bonitinhas” e umas “senhoras bem comportadas”.

Podemos dizer que uma mulher-Ártemis saudável não gosta de ficar quieta, ela tem muita energia e gosta muito de praticar desporto. Assemelha-se a um animal selvagem, gosta de correr, de pular, de gritar, de farejar pistas, de ser criativa, de cheirar o húmus fresco das florestas e da terra molhada depois da chuva. Mas também é capaz de ficar quieta horas seguidas concentrada num objectivo, ou simplesmente sem fazer nada.

Ela simplesmente É e nada a prende. É a Senhora Liberdade."

___________________________________________

"O atelier do Sábado 19 de Abril 2008 (ver NOVIDADES) oferece a oportunidade de aprofundar este arquétipo tão poderoso para cada uma de nós, através de ferramentas como a arte-terapia, o xamanismo e a psicologia dos arquétipos de C.G Jung. Mas também, pelo facto de estarmos num círculo de mulheres, podemos partilhar experiências pessoais relativamente à relação com o lado selvagem e “rebelde”(na visão da sociedade patriarcal) da nossa personalidade."

Texto: Nathalie Durel Lima, "O Feminino Reencontrado"