domingo, 6 de abril de 2008

O LAÇO E O ABRAÇO


"Eu nunca tinha reparado como é curioso um laço.


Uma fita dando voltas?


Enrosca-se, mas não se embola, vira, revira, circula e pronto:


está dado o laço.


É assim que é o abraço: coração com coração, tudo isso cercado de braço.


É assim que é o laço:


um abraço no presente, no cabelo, no vestido, em qualquer coisa onde o faço.


E quando puxo uma ponta, o que é que acontece?


Vai escorregando devagarinho, desmancha, desfaz o abraço.


Solta o presente, o cabelo, fica solto no vestido.


E na fita, que curioso, não faltou nem um pedaço.


Ah! Então é assim o amor, a amizade, tudo que é sentimento?


Exactamente como um pedaço de fita?


Enrosca, segura um pouquinho,


mas pode se desfazer a qualquer hora, deixando livre as duas bandas do laço.


Por isso é que se diz: laço afectivo, laço de amizade.


E quando alguém briga, então se diz - romperam-se os laços.


E saem as duas partes, igual pedaços de fita, sem perder nenhum pedaço.


Então, o amor é isso.


Não prende, não escraviza, não aperta, não sufoca.


Porque quando vira nó, já deixou de ser um laço."


(Autor desconhecido)

Enviado pela Cristina

Imagem: http://arrozcomtodos.blogs.sapo.pt/126535.html

BAUBO


"Baubo é uma antiga Deusa da Grécia associada à sexualidade sagrada. É também um arquétipo da vida, da morte e da fertilidade. A sexualidade sagrada, a fertilidade e a imortalidade são conceitos que estão unidos na concepção mágica dos povos antigos. A representação da vulva não é mais do que a perpetuação do feito mágico do nascimento. Toda a criação é um mistério numinoso, um segredo de que a humanidade frequentemente "se afasta", numa atitude que, mais tarde, é erroneamente interpretada como "vergonha". Na figura da Deusa Baubo, o seu ventre representa o símbolo numinoso da fertilidade. Enquanto que na posição frontal, toda a nua feminilidade da Deusa é permeada pelo numinoso que dela emana como fascinação, essa limitação à zona do ventre ou do útero expressa, no aspecto inumano e grotesco, a autonomia radical do ventre em relação aos "centros superiores" do coração, seios, cabeça, e assim entroniza-o como sagrado.

Baubo é uma antiga Deusa Grega do Ventre, conhecida também pelo nome de Iamba. Era esposa de Dysaules e mãe de Mise. Nas suas representações não possui cabeça, mas apenas um rosto que aparece no torso.

A sua história chega-nos da Antiga Grécia, quando Deméter era a Deusa Mãe da Terra e todos os dias passeava pelos prados para deles cuidar, garantindo assim que houvesse abundância no nosso planeta. Regava as plantas, fazia florescer as árvores, sempre acompanhada da filha Perséfone que amava profundamente.

Certo dia, Hades, o Deus dos Infernos sequestrou Perséfone e levou-a para as entranhas da terra. Deméter caiu então em profunda depressão. A terra reflete o seu desespero e os campos tornam-se estéreis.

Deméter, na sua peregrinação em busca da filha, chegou a um lugar chamado Eleusis chorando muito. A pequena ama Baubo, vendo-a tão desesperada, acercou-se dela dançando; em seguida levantou a saia e mostrou a vulva. Deméter sorriu e Baubo abraçou-a, dizendo-lhe que, como Deusa da Terra, ela não podia ser destruidora mas sim transformadora. Em seguida continuou a contar-lhe histórias picantes e divertidas. As duas riram muito juntas até que a Mãe da Terra adquiriu novas forças para ir em busca da filha. A Terra riu com as Deusas, a Terra floresceu.

A dimensão contagiante da alegria e do riso sagrado, juntamente com as festividades e cerimoniais em que se vê envolta, afastam a humanidade dos seus pesares que constantemente a aferroam, afirma a vida e vence os temores da morte e da esterilidade. Através da alegria e do riso esquecemo-nos dos limites da nossa existência, além de que mais facilmente conseguimos vencer os obstáculos que põem em perigo a continuidade da vida.

Baubo é a Deusa radiante, amante do sorriso. Ela é a combinação do impulso sexual, natural e instintivo, e da arte altamente elaborada de amar.

Baubo vive em cada uma de nós; é a capacidade que todas nós temos de nos levantar e seguir em frente depois de um momento triste, de apostar no riso, como auxiliar na cura para as nossas depressões. Baubo faz-nos ainda entender como é poderoso, belo e mágico o corpo feminino. Qualquer que seja a sua forma e o seu tamanho, o nosso corpo é único e, portanto, especial. A maioria das mulheres ainda se deixa prender na teia da propaganda que nasce do mundo do consumismo popular.

Comparando-se às outras, em vez de apreciar o que ela própria é, tornar-se-á cativa daquilo que erroneamente identifica como “defeitos” pessoais.

Os germes de desprezo pelo corpo foram-nos passados pelas primeiras décadas do cristianismo e acabaram por infectar toda a consciência ocidental. A capacidade do homem de criar hoje vida em laboratórios, com seleção do ADN é típica do desprezo pela matéria enquanto "matéria" e pelo processo natural de seleção e adaptação. É deste modo, que a mente científica tenta colocar-nos fora da natureza, reforçando a persistente alienação do corpo que teve início na era cristã.

Muitas pessoas ainda hoje sentem-se mal amadas, ou até indignas de serem amadas e muitas ainda têm a certeza de ter perdido a capacidade de amar. Mas este vazio difuso de que as pessoas se queixam pode ser explicado em termos de perda da conexão com a Deusa, aquela que renova a vida, traz amor, paixão e fertilidade. É a Deusa Baubo que faz a ligação com uma camada importante da nossa vida instintiva, trazendo-nos de volta o riso, a alegria, a beleza e a energia criativa que une a sexualidade à espiritualidade.

Hoje já não temos a oportunidade de segurar a imagem da Deusa com o carinho de antigamente, pois a mente racional simplesmente relegou-a para a categoria de “práticas pagãs arcaicas”. Entretanto, no corpo do pensamento psicológico, as imagens das Deusas são consideradas "arquétipos". Arquétipos são formas preexistentes que integram a estrutura herdada da psique comum de todas as pessoas. Essas estruturas psíquicas são dotadas de densidade emocional e quando ativadas têm o poder de transformar o nosso consciente.

Acredito, que Deusas como Baubo, segura e confiante no seu corpo e na sua sexualidade, podem ensinar-nos a adquirir confiança em nós próprias, para que possamos compreender que a nossa sensualidade com os seus impulsos naturais não é pecaminosa, mas sim um dom divino.

A Deusa Baubo reflete três aspectos particulares da existência humana: idade Anciã (chegada da menopausa), Mulher Fecunda e poder pessoal transformador.

Baubo é uma Deusa Anciã irreverente e alegre com a sua sexualidade, que vem lembra-nos que sexo é amor e prazer e é, sobretudo, mágico. Ela chega às nossas vidas para dizer:

-"Vamos comemorar! Nós temos os nossos úteros, as nossas vulvas, a nossa vida. Vamos dançar!". Tente... não custa nada, dançar e rir ainda é de graça. Coloque a palma das suas mãos um pouco abaixo do centro do abdómen (em cima do útero) e embale-se numa dança improvisada. Quando estiver pronta ria alto e o quanto puder. Rir é contagioso. Portanto, a partir de hoje, sorria muito e "infecte" o mundo com a "epidemia" do seu sorriso.

AFIRMAÇÕES SUGERIDAS:

Eu sou alegre
Eu sou saudável e feliz
Eu estou viva e em harmonia com a minha sexualidade
Eu adoro a minha forma de ser e o meu corpo
Eu tenho energia e vitalidade abundantes

Essências relacionadas : baunilha, amêndoa, lírio oriental, bergamota.

Pedras relacionadas : carneliam, coral, ágata, jaspar castanho (pedras alaranjadas), pedra do boji, larimar, obsidiana."

Texto pesquisado e desenvolvido por

ROSANE VOLPATTO

(Adaptado)

http://www.rosanevolpatto.trd.br/baubo.html

Imagem: Google