segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Ainda O REINO DAS MULHERES...


Livro muito inspirador. Estou a adorar. Dos confins da China, chega-nos uma luz belíssima - por via de um homem, o argentino Ricardo Coler -, o exemplo duma comunidade onde a vida se organiza de modo completamente diferente da nossa e onde as mulheres, e toda a comunidade, estão a ganhar, nitidamente. A ganhar em vitalidade, em liberdade, em harmonia.

"(...) o facto de um sistema (o patriarcado) ter mais seguidores do que outro não implica que este último seja inexequível, daí que possamos dizer: nem toda a humanidade vive em sistema patriarcal. Seja como for, a verdade é que não existe um único sistema. O patriarcado não é essencial aos seres humanos, e a experiência Mosuo mostra que há outras soluções possíveis, e que estas não representam o fim da sociedade, a ausência de leis ou a desintegração daquilo que no seu seio constitui uma família. A verdade é que no matriarcado a instituição familiar parece mais sólida e ter mais vitalidade do que a família ocidental. E impressiona ver como os Mosuo não fazem discursos morais para defenderem o seu sistema.

No matriarcado, o desprezo pela violên
cia e pela acumulação de dinheiro torna a vida mais amável e prazenteira.

Terá a humanidade, num passado remoto, vivido maioritariamente sob sistemas com grande marca feminina? Evidentemente que sim. Poderá acontecer o mesmo no futuro?"


Diálogo entre o autor e um subchefe da aldeia:

"- É verdade - respondo eu então -, é claro que as diferenças são muito grandes. Muitas vezes tenho dificuldade em pensar no sistema Mosuo. Mulheres a mandar, distribuição das responsabilidades no interior da família, a economia, os apelidos dados aos filhos.
- No seu país é muito diferente?
- Claro, é claro que é muito diferente. Um homem casa-se com uma mulher e têm filhos. Ambos vivem debaixo do mesmo tecto, os filhos vivem com o pai e com a mãe e o homem é considerado chefe da família.

Acabo de dizer isto e sinto-me ridículo. Trata-se de frases feitas, como tantas outras que repetimos a toda a hora e que não suportam uma segunda observação mais cuidada. Coisas como "Cristóvão Colombo descobriu a América", como se na América não houvesse pessoas, e os índios, que geração após geração ali viviam, tivessem precisado de um europeu para começarem a existir.
Pergunto a mim mesmo: são assim tantas as diferenças?
Se o matriacrcado implica que o poder esteja do lado das mulheres, e também a ausência de casamento, a falta do pai, o uso do dinheiro por parte de uma mulher proprietária, cujos filhos recebem o seu apelido, mulher que, além disso, escolhe o homem com quem passa as noites, então eu não precisava de sair do meu bairro para ver casos semelhantes!... Será que entre nós não existem mulheres que não precisam de marido para se manterem, ficarem grávidas ou terem vida social? E as famílias consanguíneas? Quantos lares das nossas cidades são formados por uma mulher e os seus filhos, a que se junta uma avó, lares em que todos os que se juntam diariamente para jantar têm entre si laços de sangue em primeiro grau?

Qual é então a diferença?

Creio que há uma. A mulher Musuo vive nas condições em que vive e sente que é esse o seu lugar. Não anseia por encontrar o homem da sua vida, com quem se poderá sentir completa e assim atingir um estado de felicidade que, supostamente, somente esse homem lhe poderá dar. Na sociedade Mosuo, nem a mulher nem a comunidade consideram o casal como o conjunto ideal.

No Ocidente, situações semelhantes a esta são mais resultantes da resignação que da convicção e, em geral, registaram no passado alguma situação traumática impossível de superar."

Ricardo Coler, O Reino das Mulheres, Quetzal

Imagens:
http://www.mosuoproject.org/
e Mosuo Minority

Um comentário:

Luíza Frazão disse...

É este o cerne da questão no Ocidente: essa ideia peregrina segundo a qual, para sermos seres completos, precisamos de uma qualquer outra metade... Isto para as mulheres então é fatal... É como se o colonizado achasse que não pode existir sem ser sob o domínio do colonizador...