sábado, 13 de setembro de 2008

A Dessacralização do Feminino

De Mulheres & Deusas este importantíssimo texto de Sylvia B. Perera:


“Na verdade, muito do que Inana simbolizava para os sumérios foi exilado desde aquela época: muitas das qualidades ostentadas pelas deusas do mundo superior foram dessacralizadas no Ocidente, assumidas por divindades masculinas, (...) idealizadas pelo código moral e estático do Patriarcado. É por isso que a maioria das deusas gregas foram engolidas pelos pais e a deusa hebraica foi despotenciada. Restam-nas apenas deusas minimizadas ou restritas apenas a determinados aspectos. E muitos dos poderes antes apresentados pela Deusa perderam a conexão com a vida da mulher: o feminino apaixonadamente erótico e lúdico; o feminino multifacetado dotado de vontade própria, ambicioso, real.

Na verdade, as mulheres têm vivido apenas no domínio pessoal, na periferia da cultura do Ocidente, em funções fortemente circunscritas, frequentemente subordinadas a homens, posição social, filhos etc., ocultando sua necessidade de poder e paixão, vivendo em segurança e secundariamente na relação com nomes sobrecarregados, nos quais se projectou todo o poder que a cultura legitima para eles. O que se tornou assim comportamento colectivamente aceitável para as mulheres, perdeu a conexão com o sagrado, ao mesmo tempo em que a estatura da Deusa era reduzida. Tornou-se cada vez mais hiperbólico o superego patriarcal, originalmente necessário para inculcar a sensibilidade ética; a seguir, esse superego foi fortalecido pela Igreja cristã institucional, com o fim de disciplinar as emoções tribais e selvagens do mundo medieval. A partir da mudança do Utilitarismo e da época Vitoriana, o superego que comprimiu e reprimiu durante tanto tempo essas energias vitais, que agora elas têm de irromper, forçando entre outras coisas, o retorno da Deusa à cultura ocidental.”

CAMINHO PARA A INICIAÇÃO FEMININA
Sylvia B. Perera

Rosa Leonor

2 comentários:

Cláudia Mello disse...

Acabei de postar um comentário na sua postagem sobre os 10 passos para a lealdade feminina e resolvi dar uma olhadinha por aqui, nas últimas mensagens. Estou adorando a sincronia, pois, depois de um bom tempo em que somente folheei o livro A Deusa Interior, peguei-o para ler. Estou maravilhada com o livro e comecei a encontrar por todo canto referências interessantíssimas sobre o sagrado feminino, caminho que comecei a percorrer (ao menos de forma consciente) a partir de 1993.
Estou adorando o blog!
beijos

Luíza Frazão disse...

Obrigada, Cláudia. Só agora reparei no seu comentário.
Que bom haver muitas mulheres na senda da Deusa! Em portugal não consigo encontrar a Deusa Interior e, segunda pesquisas que já fiz aqui na Net, parece esgotado no Brasil.
Volte sempre.

Abraço fraterno.

Luíza