domingo, 3 de agosto de 2008

De Mulher para Mulher

Temos uma maneira especial de nos comunicar, ela não pode ser descrita. É cheia de silêncios, gestos, olhares, expressões, movimentos serenos da alma e dos sentimentos. Nós sabemos que sabemos.Também sabemos que não conhecemos o que sabemos. Esta é a nossa cumplicidade. Como mulheres temos a inclinação de fazer pelos outros, o que normalmente não faríamos por nós. Amar, cuidar, simpatizar, sentir pelos outros...naturalmente coloca-nos além dos nossos próprios limites. É da nossa natureza fundir-nos, completar-nos, e no fim, desaparecer.

Sabes o que é a amizade? É a mais elevada forma de Amor.

No Amor, fatalmente há algum desejo; na amizade, todo o desejo desaparece.

Não se trata de usar o outro, não se trata sequer de precisar do outro; trata-se de compartilhar.

Sentir-te-ás agradecida se alguém estiver disposto a compartilhar contigo da sua alegria, da sua dança, da sua música. Um amigo sente-se sempre agradecido para com quem lhe é permitido amar, dar o que quer que ele tenha.

A amizade deve ser um compartilhar.

Não é uma questão de necessidade, não é uma questão de, quando estás em perigo, o amigo precisar de vir em teu socorro. Isso é irrelevante, vir ou não vir é decisão dele, tu não queres manipulá-lo, não queres fazê-lo sentir-se culpado.

Não se trata de amar alguém por determinadas razões, trata-se de um amor que vem simplesmente da abundância – tens tanto que precisas de compartilhar, precisas de irradiar. E não importa quem o receba, ficarás sempre agradecida.

E quem melhor do que as mulheres para saberem o que é amar demais? São elas as eternas Mães.

Ana Cachão

(Texto inspirado em A Mulher do Futuro, de Zulma Reyo)

Imagem: Edward Burne-Jones

2 comentários:

Anônimo disse...

Concordo totalmente. A amizade é uma partilha colorida de risos laranjas, palavras verdes e lágrimas azuis.

Boas férias.
ana

Luíza Frazão disse...

E está tudo dito...

Beijos

Luíza