sábado, 7 de junho de 2008

A Mulher Inteira

Ingmar Bergman, Lágrimas & Suspiros (1972)

DEMASIADO IMPORTANTE PARA SE IGNORAR!

Blogueado em Mulheres & Deusas:

A Nossa Outra Metade

A nossa outra metade é mulher e não o homem…
O homem é o oposto complementa
r, mas a mulher tem de primeiro unir as duas partes de si mesmas cindidas, para poder chegar à sua totalidade.


Tenho perfeitamente noção do desafio que vos lanço ao fazer esta declaração algo insidiosa, e da possível controvérsia que possa suscitar, mas faço-o intencionalmente. A verdade é que a mulher encontra-se cindida em duas partes antagónicas e mantendo-se dividida em si mesma cria uma dicotomia da sua natureza sendo sempre ou quase sempre uma mulher metade que procura no homem a sua outra metade mulher e não o homem, e porque infantilizada ou imatura, legando sempre o seu poder pessoal nas mãos do outro, não pode ser ainda o complemento do homem. Como a mulher não está consciente da sua totalidade porque separada na sua essência, quase sempre fragmentada nos vários estereótipos que persegue exteriormente, não pode ser esse espelho do feminino profundo porque não está em contacto com ele. Desviada do seu centro, ela busca fora e no homem não uma complementaridade, mas essa parte que lhe falta …Seja a mãe, seja o pai, a autoridade que a proteja, seja a realização amorosa que amputada dela de si mesma nunca conseguirá atingir…tal como na maior parte das vezes acontece com o próprio orgasmo. Por isso, antes que a relação homem-mulher se estabeleça a mulher precisa reunir as duas partes cindidas de si e integrá-las. E isto é válido para as duas mulheres…seja ela a santa seja ela a puta…

Devemos no entanto realçar que este aspecto da integração do feminino profundo que a mulher precisa de consciencializar, tal como o homem aliás, nada tem a ver com a dualidade humana, bem e mal e que é comum aos dois seres, mas que acaba por ter influência na dicotomia da mulher.
O homem apesar de não se encontrar divido em dois nem fragmentado na sua natureza masculina, para além também dos seus estereótipos de macho, falta-lhe integrar o masculino sagrado que vem da integração do seu próprio feminino, mas não havendo o espelhamento dessa mulher inteira, dificilmente o homem pode reconhecer o seu feminino quer na mulher quer em si. O masculino sagrado é conseguido através da iniciação amorosa na revelação da mulher sagrada.

Kate Kretz, Sacred Ovaris

"O Vaso da Transformação só pode ser efectuado pela mulher,
porque ela própria, em seu corpo que corresponde ao da Grande Deusa, é o caldeirão da encarnação, nascimento e renascimento. E é por isso que o caldeirão mágico está sempre nas mãos de uma figura humana feminina, a sacerdotisa e a bruxa".
(Erich Neumann)

Antes de se unir ao seu complemento masculino a mulher tem de ser iniciada ao seu próprio mistério e seguir o caminho da deusa e do feminino sagrado. Muitas vezes isso pode implicar ou pode ocasionar o encontro com outra mulher no exterior e que servirá de certa maneira de espelho. A atracção que muitas vezes as mulheres podem sentir umas pelas outras já no âmbito de uma atracção de cariz sensual ou erótico antes de ser definido como homossexualidade poderá ser sentido como manifestação numinosa do acordar da deusa em si, através de um catalisador que é a outra mulher se esta se sentir ligada à deusa e tiver já o seu feminino mais ou menos integrado. Creio que a maior parte dos casos dados como opção sexual não é mais do que o espelhar dessa outra parte que a mulher renegou consciente ou inconsciente da sua própria feminilidade ou sensualidade e também na procura da mãe que a rejeitou, na maior parte dos casos.

Há muitas mulheres que afirmam não gostar das outras mulheres e também muitas mulheres homossexuais que embora “gostando” de mulheres, são mais masculinas que femininas ou procuram o feminino fora de si adoptando a postura do homem cortejando mulheres mais femininas ou imitando muitas vezes o macho que conquista as mulheres mas as menospreza. É como que uma procura invertida do seu feminino ou uma negação dupla do seu ser mulher. É uma via de compensação para a sua ferida. Aqui eu não discuto a homossexualidade em si, mas uma possível causa na grande percentagem de mulheres que dizem amar as mulheres.
Não me quero debruçar agora sobre essa complexa questão, mas fazer notar que entre esses dois sentimentos de negação da outra mulher ou a sua busca fora, existem muitas manifestações emocionais igualmente complexas.
(continua)
Rlp

TEXTO PUBLICADO EM: http://yinsights.blogspot.com/

Imagem: http://mulholland-drive.blog-city.com/viskingarochrop.htm

Nenhum comentário: