segunda-feira, 26 de maio de 2008

VIVER DE OLHOS ABERTOS


Tem sido opção do meu blogue o chamado “pensamento positivo”. Num universo dual, eu sei que é perigoso ignorar que a luz tem como complemento a sombra. Ignorar a minha dor, o meu sofrimento e o sofrimento do mundo é por certo uma posição de falsidade. Talvez por isso esteja frequentemente a remeter os meus visitantes para o blogue Mulheres & Deusas...

Entretanto, o pressuposto de que parto é: aquilo em que pomos a nossa atenção cresce ou: a energia segue o pensamento. O problema de remexermos constantemente no sofrimento do mundo é ficarmos lá atolados, e estarmos assim a perpetuar essa dor, a produzir mais dor, negatividade, carência, desequilíbrio e injustiça.

Então o que penso é que não devemos, não podemos, nem ignorar a dor do mundo e a nossa pessoal, nem enfatizá-las demasiado, caindo num pessimismo pernicioso, como se não tivéssemos escolha nem saída.

Viver de olhos abertos é admitir, sentir a nossa dor, porque é ela que nos indica que há algo que não está bem, e admitir, não negar, a nossa raiva, porque é nessa raiva que está a nossa força. A força para cortarmos, destruirmos aquilo que nos faz mal e construirmos o que é melhor para nós. A Grande Mãe possui igualmente um aspecto destruidor.

Os nossos problemas resultam essencialmente do facto de sermos demasiado brandas, boazinhas, frágeis, permissivas e acomodadas. A nossa educação ou, pior do que isso, a implantação à força bruta de um sistema patriarcal de dominação condicionou-nos para a aceitação excessiva e a servidão. Não podemos fingir que não são estas as bases em que se processa a nossa vida.

Mas não podemos ficar presas neste estádio, sofrendo os horrores da impotência, resmoendo este sofrimento e reproduzindo-o assim para todo o sempre.

Temos escolha! Valorizando-nos, valorizando o feminino. Unindo-nos. Só a nossa auto-valorização e a nossa união, mais as bênçãos da Mãe Divina, nos podem salvar. Mais nada. Mas é possível, se assim o decidirmos!

A nossa dor e a nossa raiva não são portanto para negar, mas para olhar de olhos bem abertos e sentir; porque só a energia da indignação e da raiva nos dará poder e forças para agir, para cortar com o que não é bom para nós, para sairmos de onde devemos sair (e entrar onde queremos entrar...), para fazermos os necessários ajustes. E sem essa sensação de poder e de força pessoal também não acredito que possamos ir muito longe no “pensamento positivo”...

Imagem: deusa Kali-Ma (Google)

.......................................................................................................................................................................

"Acima de todas as outras proibições, foi interditado às mulheres expressar raiva e admitir abertamente o desejo de poder e de controlo sobre a própria vida (o que significaria, inevitavelmente, aceitar algum grau de controlo e de poder sobre outras vidas).

Por fim, estou certa de que uma vida diferente para as mulheres será marcada pelo riso. É a chave infalível para um novo tipo de vida... O riso das mulheres reunidas é o sinal revelador, o reconhecimento espontâneo da intuição, do amor e da liberdade."

Carolyn G. Heilbrun (citada por Jean Shinoda Bolen)

Nenhum comentário: