sábado, 24 de maio de 2008

Despertar para a nossa consciência divina

“(...)Vocês, como muitos outros, estão no meio de um processo acelerado de transformação, por meio do qual estão continuamente processando energia deturpada de vidas passadas, questões essenciais profundamente arraigadas. Quando despertam para a vossa consciência divina e para a grandeza de quem são, trata-se da vossa jornada particular e ninguém mais pode dizer-vos como proceder. Não temam a mudança, amados; permitam que aquelas coisas que não vos servem mais saiam do vosso caminho. Caminhem através do medo e observem-no dissipar-se, deixando em seu lugar um novo e brilhante futuro diante de vós. Utilizem as oportunidades que surgirem no vosso caminho como trampolins para a consecução do vosso poder. Qualquer coisa que fizerem deverá ressoar profundamente no interior da vossa alma, inspirar-vos e trazer-vos alegria. Qual é a vossa paixão? Qual é o desejo mais profundo do vosso coração? Vocês podem ter ou ser qualquer coisa que possam imaginar.


Uma das vossas principais “tarefas” é preencherem-se do amor incondicional do vosso Eu Superior de modo a projectarem energias equilibradas e harmoniosas ao invés de procurarem que os outros vos dêem um sentido de auto-estima ou de completude. Devem aprender a estabelecer limites à medida que começarem a dizer a vossa verdade de modo amoroso e a resgatar o vosso poder pessoal. Cada um pode mudar apenas a si mesmo, mas, à medida que recuperam o vosso poder e que começam a irradiar um sentido de paz, poder e compaixão, afastarão as energias da "indigência" e da "carência” e aqueles que vos cercam ou beneficiarão e crescerão a partir da experiência, ou encontrarão outro para representar com eles o “drama cósmico da vida" (...)


http://indigochildren.multiply.com/journal/item/756/Tornar-se_um_Mestre_Terreno_de_Amor_e_Luz-_Ronna_Herman

2 comentários:

Luíza Frazão disse...

"Olá Luíza,

venho aqui agradecer e dar os parabéns pelo Saber de Si, dizer que me tem ajudado, enriquecido e inspirado..."

Teresa C.

Luíza Frazão disse...

Muito obrigada, querida Teresa. É bom saber.

Abraço

Luíza