quarta-feira, 23 de abril de 2008

SEMANA SEM TELEVISÃO



Para quem lê francês, vale a pena este artigo de François Brune, "A Televisão ou o Planeta?", sobre o poder nefasto, a vários níveis, da televisão no nosso quotidiano actual. (Não falo do meu, já que é raro ligá-la...)

Do mesmo tema trata o documentário Zeitgeistmoovie (aqui na Net).

Nesta matéria podemos escolher entre duas opções: ou vivemos a nossa vida, ou vemo-la passar, completamente hipnotizados e embrutecidos, no ecrã da nossa televisão...

Semana sem televisão em França: de 21 a 27 de Abril.

Outro post que fala do mesmo: " O perigo da televisão".

2 comentários:

Anônimo disse...

Das coisas que tenho mais saudades na m/vida é dos 6 meses em que vivi em Inhambane/Moçambique, em meados dos anos 60. Eu tinha 12 anos e não havia televisão o que fazia com que eu e outros amigos da m/idade nos reuníssemos ao fim da tarde e das aulas no jardim da cidade para convivermos e brincarmos. Tempo mágico aquele, principalmente por não haver televisão!
Gina Fernandes

Luíza Frazão disse...

Obrigada, querida Gina, pela tua partilha. De facto é minha convicção - e nisso não estou sozinha - de que a televisão nos rouba a nossa própria vida. Ela afasta-nos da experiência directa, afasta-nos da natureza, o que é muitíssimo grave. A televisão é essencialmente um veículo que fixa um determinado modo de perceber a realidade, que reitera a nossa condição suprema de CONSUMIDORES Consumidores de ideias, de emoções (o medo é uma das principais) e, pela via da publicidade, de produtos para os quais o mercado cria em nós as necessidades. Os processos mentais que a televisão fomenta são muito pobres em relação àqueles que a leitura, por exemplo, exige. E há muito mais ainda nesta história...
Um abraço.

Luíza