quarta-feira, 30 de abril de 2008

Eco-alfabetização e ecodesign

”Estas definições implicam que o primeiro passo correlacionado com o nosso empenho para construir comunidades sustentáveis deve ser em direcção à “alfabetização ecológica", i.e., entender os princípios de organização evolutiva dos ecossistemas na sustentação da teia da vida. Nas próximas décadas a sobrevivência da humanidade dependerá da nossa alfabetização ecológica – a nossa habilidade para entendermos os princípios básicos da ecologia e vivermos de acordo com a sua observação. Isto significa que a eco-alfabetização deve tornar-se uma qualificação indispensável para políticos, líderes empresariais e profissionais em todas as esferas, e deverá ser a parte mais importante da escolaridade, em todos os níveis – desde a escola primária até à escola secundária, faculdades e universidades, na educação contínua e no treino de profissionais.

Nós temos que repassar para os nossos filhos
os factos fundamentais da vida:

- que as sobras abandonada por uma espécie são alimento para outra;
- que a matéria circula de forma contínua através da teia da vida;
- que a energia que promove os ciclos ecológicos flui do sol;
- que a diversidade assegura flexibilidade;
- que a vida, desde os seus primórdios, mais de três biliões de anos atrás, não assumiu o planeta através do combate, mas através de redes de trabalho integrado.

A ecoalfabetização é o primeiro passo na estrada da sustentabilidade.
O segundo passo é movimentar-se da eco-alfabetização para o ecodesign. Temos que aplicar o nosso conhecimento ecológico para a replaneamento fundamental das nossas tecnologias e instituições sociais, de modo a estabelecermos uma ponte entre o planeamento humano e os sistemas de ecoplaneamento

ecologicamente sustentáveis da Natureza. Planeamento, na acepção ampla da palavra, consiste em direccionar os fluxos de energia e da matéria para a finalidade humana.

O ecoplaneamento (ecodesign) constitui um processo pelo qual os nossos objectivos humanos são cuidadosamente entrelaçados com os padrões maiores e com os fluxos do mundo natural. Os princípios do ecoplaneamento reflectem os princípios da organização evolutiva da natureza e que sustentam a teia da vida.

Exercer a prática do planeamento industrial neste contexto requer uma mudança fundamental de atitude para com a natureza, abandonando o conceito de “o que podemos extrair da natureza" e substituindo-o por “o que podemos aprender com ela." (...)

"Nós estamos presentemente no limiar de uma transição histórica, da idade do petróleo para a idade do hidrogénio."

"(...) eu gostaria de enfatizar que a transição para um futuro sustentável, já não configura um problema técnico ou conceptual: é um problema de valores e de empenho político. "

"O chamado mercado-global, em rigor, não é um mercado de forma alguma, mas uma rede de máquinas programadas para agirem segundo um único valor: ganhar dinheiro por ganhar dinheiro, à exclusão de todos os outros."

Fritjof Capra

http://www.cosmonauta.com.br/FritjofCapra/FritjofCapra.htm

Imagem: Google

Nenhum comentário: