quarta-feira, 30 de abril de 2008

Eco-alfabetização e ecodesign

”Estas definições implicam que o primeiro passo correlacionado com o nosso empenho para construir comunidades sustentáveis deve ser em direcção à “alfabetização ecológica", i.e., entender os princípios de organização evolutiva dos ecossistemas na sustentação da teia da vida. Nas próximas décadas a sobrevivência da humanidade dependerá da nossa alfabetização ecológica – a nossa habilidade para entendermos os princípios básicos da ecologia e vivermos de acordo com a sua observação. Isto significa que a eco-alfabetização deve tornar-se uma qualificação indispensável para políticos, líderes empresariais e profissionais em todas as esferas, e deverá ser a parte mais importante da escolaridade, em todos os níveis – desde a escola primária até à escola secundária, faculdades e universidades, na educação contínua e no treino de profissionais.

Nós temos que repassar para os nossos filhos
os factos fundamentais da vida:

- que as sobras abandonada por uma espécie são alimento para outra;
- que a matéria circula de forma contínua através da teia da vida;
- que a energia que promove os ciclos ecológicos flui do sol;
- que a diversidade assegura flexibilidade;
- que a vida, desde os seus primórdios, mais de três biliões de anos atrás, não assumiu o planeta através do combate, mas através de redes de trabalho integrado.

A ecoalfabetização é o primeiro passo na estrada da sustentabilidade.
O segundo passo é movimentar-se da eco-alfabetização para o ecodesign. Temos que aplicar o nosso conhecimento ecológico para a replaneamento fundamental das nossas tecnologias e instituições sociais, de modo a estabelecermos uma ponte entre o planeamento humano e os sistemas de ecoplaneamento

ecologicamente sustentáveis da Natureza. Planeamento, na acepção ampla da palavra, consiste em direccionar os fluxos de energia e da matéria para a finalidade humana.

O ecoplaneamento (ecodesign) constitui um processo pelo qual os nossos objectivos humanos são cuidadosamente entrelaçados com os padrões maiores e com os fluxos do mundo natural. Os princípios do ecoplaneamento reflectem os princípios da organização evolutiva da natureza e que sustentam a teia da vida.

Exercer a prática do planeamento industrial neste contexto requer uma mudança fundamental de atitude para com a natureza, abandonando o conceito de “o que podemos extrair da natureza" e substituindo-o por “o que podemos aprender com ela." (...)

"Nós estamos presentemente no limiar de uma transição histórica, da idade do petróleo para a idade do hidrogénio."

"(...) eu gostaria de enfatizar que a transição para um futuro sustentável, já não configura um problema técnico ou conceptual: é um problema de valores e de empenho político. "

"O chamado mercado-global, em rigor, não é um mercado de forma alguma, mas uma rede de máquinas programadas para agirem segundo um único valor: ganhar dinheiro por ganhar dinheiro, à exclusão de todos os outros."

Fritjof Capra

http://www.cosmonauta.com.br/FritjofCapra/FritjofCapra.htm

Imagem: Google

A ECOLOGIA PROFUNDA


No seu mais novo livro, A Teia da Vida (Cultrix-Amana), Fritjof Capra* mostra como a ecologia profunda - a concepção que não separa os homens da natureza - ganha relevância na nova visão da realidade.

“(...) O paradigma que está agora retrocedendo dominou a nossa cultura por várias centenas de anos, durante os quais modelou a nossa moderna sociedade ocidental e influenciou significativamente o resto do mundo. Esse paradigma consiste em várias ideias e valores entrincheirados, entre os quais a visão do universo como um sistema mecânico composto de blocos de construção elementares, a visão do corpo humano como uma máquina, a visão da vida em sociedade como uma luta competitiva pela existência, a crença no progresso material ilimitado, a ser obtido por intermédio de crescimento económico e tecnológico, e - por fim, não menos importante - a crença em que uma sociedade na qual a mulher é, por toda a parte, classificada em posição inferior à do homem é uma sociedade que segue uma lei básica da natureza. Todas essas suposições têm sido decisivamente desafiadas por eventos recentes. E, na verdade, está ocorrendo, na actualidade, uma revisão radical dessas suposições.

Ecologia Profunda

O novo paradigma pode ser chamado de uma visão do mundo holística, que concebe o mundo como um todo integrado, e não como uma colecção de partes dissociadas. Pode também ser denominado visão ecológica, se o termo "ecologia" for empregado num sentido muito mais amplo e profundo que o usual. A percepção ecológica profunda reconhece a interdependência fundamental de todos os fenómenos e o facto de que, enquanto indivíduos e sociedades, estamos todos encaixados nos processos cíclicos da natureza (e, em última análise, somos dependentes desses processos). Os dois termos, "holístico" e "ecológico", diferem ligeiramente nos seus significados, e parece que "holístico" é um pouco menos apropriado para descrever o novo paradigma. Uma visão holística, digamos, de uma bicicleta significa ver a bicicleta como um todo funcional e compreender, em conformidade com isso, as interdependências das suas partes. Uma visão ecológica da bicicleta inclui isso, mas acrescenta-lhe a percepção de como a bicicleta está encaixada no seu ambiente natural e social - de onde vêm as matérias-primas que entram nela, como foi fabricada, como o seu uso afecta o meio ambiente natural e a comunidade pela qual ele é usada, e assim por diante. Essa distinção entre "holístico" e "ecológico" é ainda mais importante quanto falamos sobre sistemas vivos, para os quais as conexões com o meio ambiente são muito mais vitais. O sentido em que eu uso o termo "ecológico" está associado a uma escola filosófica específica e, além disso, a um movimento popular global conhecido como "ecologia profunda", que está rapidamente adquirindo proeminência. A escola filosófica foi fundada pelo filósofo norueguês Arne Naess, no início dos anos 70, com sua distinção entre "ecologia rasa" e "ecologia profunda". A ecologia rasa é antropocêntrica, ou centralizada no ser humano. Ela vê os seres humanos como situados acima ou fora da natureza, como a fonte de todos os valores, e atribui apenas um valor instrumental, ou de "uso", à natureza. A ecologia profunda não separa seres humanos - ou qualquer outra coisa do meio ambiente natural. Ela vê o mundo não como uma colecção de objectos isolados, mas como uma rede de fenómenos que estão fundamentalmente interconectados e são interdependentes. A ecologia profunda reconhece o valor intrínseco dos seres vivos e concebe os seres humanos apenas como um fio particular na teia da vida. Em última análise, a percepção da ecologia profunda é percepção espiritual ou religiosa. Quando a concepção de espírito humano é entendida como o modo de consciência no qual o indivíduo tem uma sensação de pertinência, de conexão, com o cosmos como um todo, torna-se claro que a percepção ecológica é espiritual na sua essência mais profunda.(...)”

in http://hps.infolink.com.br/peco/nage_02.htm
___________________________________________________________________

Fritjof Cap
ra- físico e teórico de sistemas, autor de "O Tao da Física" (1975), "Ponto de Mutação"(1982), "Conexões Ocultas" (2002)

"O Tao da Física analisa as semelhanças entre os conceitos da Física Moderna e o Misticismo Oriental. Fritjof Capra mostra o que há em comum entre a física atómica e subatómica, a teoria da relatividade e a astrofísica com as tradições místicas orientais do Hinduísmo, Budismo, Taoísmo, do Zen e do I Ching."

"Acredito que a visão de mundo sugerida pela Física Moderna seja incompatível com a nossa sociedade actual, a qual não reflecte o harmonioso estado de inter-relacionamento que observamos na natureza. Para se alcançar tal estado de equilíbrio dinâmico, será necessária uma estrutura social e económica radicalmente diferente: uma revolução cultural na verdadeira acepção da palavra. A sobrevivência de toda a nossa civilização pode depender de sermos ou não capazes de realizar tal mudança". in "Ponto de Mutação"

"Conexões Ocultas - As últimas descobertas científicas mostram que todas as formas de vida - desde as células mais primitivas até às sociedades humanas, suas empresas e Estados nacionais, até mesmo à economia global - se organizam segundo o mesmo padrão e os mesmos princípios básicos: o padrão em rede. Neste livro, Capra desenvolve uma compreensão sistémica e unificada que integra as dimensões biológica, cognitiva e social da vida e demonstra claramente que a vida, em todos os seus níveis, está interligada por redes complexas. Segundo Capra, os seres humanos estão ligados à teia da vida no nosso planeta, daí a necessidade de organizarmos o mundo segundo um conjunto de crenças e valores que não tenha a acumulação de dinheiro por único sustentáculo. Esta mudança de atitude para uma economia ecologicamente sustentável e socialmente justa é fundamental não só para as organizações humanas, como também para a sobrevivência de toda a humanidade."

http://www.agirazul.com.br/fsm4/_fsm/00000198.htm


Imagem: Google

A Lenda Pessoal

Lembram-se de "O Alquimista", do Paulo Coelho?...

"(...) A Lenda Pessoal é um caminho que dá sentido à existência pessoal de cada um de nós, que nos faz brilhar de dentro para fora. É um entusiasmo que brota dentro de nós, quando sentimos que o que estamos a fazer é o que devíamos estar a fazer nesse exacto momento, nesse exacto local. Isto acontece quando estamos a seguir a nossa Lenda Pessoal. Contudo, nem todos nós temos a coragem de nos confrontarmos com o nosso sonho, com o potencial que está dentro de nós. (...)"

Leia mais em: http://www.jaimegrace.com/lendapessoalviagemheroi.htm
Imagem: http://www.fotolog.com/gabrielguedes/

Sete Pilares da Masculinidade


"É preciso a ajuda de muitos homens para tornar um rapaz num homem. A escola não o faz. Ver televisão também não. A mamã por mais que se esforce não o consegue fazer por si própria. Os rapazes precisam de exposição a modelos saudáveis masculinos para crescerem saudáveis e saberem viver a sua masculinidade em adultos. Esta necessidade de modelos saudáveis masculinos não termina na adolescência, continua na idade adulta, mesmo na meia-idade. Se esta necessidade é suprida, a vida torna-se muito mais suportável, segura, interessante e amistosa. A sensação de luta solitária e de iminente fracasso é substituída por uma experiência da vida como uma viagem apoiada em direcção à mestria de ser homem.

Se as suas necessidades de desenvolvimento não foram satisfeitas na infância e na adolescência é muito provável que você não tenha consciência disso. Até crianças que cresceram em famílias mais bizarras assumem que a sua vida é normal. Você só começa a suspeitar que algo está mal quando a sua vida começa a “descarrilar”. Isto é o que acontece à maior parte dos homens hoje em dia. Alguns dos sinais indicadores disto são os problemas com os quais são confrontados e que servem de alerta para as profundas falhas no seu ser. Este problemas têm a ver com problemas de saúde, com o casamento, com o facto de assumirem serem pais, com a capacidade de fazer amigos, com o fracasso no trabalho, etc. Enquanto jovens adultos agimos com confiança excessiva, vaidosa e alegre, mas à medida que a pressão da vida começa a acumular-se e a tornar-se insuportável, as nossas deficiências começam a tornar-se mais óbvias. A desconcertante performance dos nossos líderes masculinos, a todos os níveis da sociedade, é um sintoma deste problema. Um líder masculino vai beber a sua experiência aos excepcionais cuidados paternos que teve. Ele é o “pai” para uma equipa, para uma empresa ou até para um país.

Na natureza, todo o desenvolvimento segue uma sequência pré estabelecida. No caso específico do desenvolvimento masculino esta sequência foi esquecida e o processo foi deixado muito ao acaso. Se olharmos para culturas mais antigas, vemos um esforço imenso e focalizado para cuidar do crescimento dos rapazes – rituais, aprendizagens e processos que só muito superficialmente têm equivalente na nossa cultura. Robert Bly e outros identificaram sete pilares essenciais para o desenvolvimento da masculinidade, que veremos mais à frente. O objectivo não é só ser bem “ajustado”, mas algo com mais valor – ter uma vida gloriosa. Os caçadores sioux, o guerreiro zulu, o ancião aborígene e o artífice medieval viveram vidas gloriosas, cuidaram dos seus e protegeram os seus e seu mundo. Por que não o homem moderno?

Um com o Pai

O seu pai é a linha de contacto com a sua masculinidade. Assim, problemas não resolvidos com ele vão afectar o modo como você vai viver a sua masculinidade, pois ele foi e é, consciente ou inconscientemente para si, o seu modelo, seja esse modelo negativo ou positivo. Uma possível direcção a seguir é o de trabalhar no sentido de clarificar e resolver a relação existente entre você e ele. Será muito difícil para si continuar com sucesso a sua vida até que o compreenda, perdoá-lo e, de algum modo , chegar a respeitá-lo. Isto pode ser feito através de uma conversa com ele, se está vivo, ou na sua mente, se ele já faleceu.

Sexualidade Sagrada

É importante não só aprender a estar confortável com a sua própria sexualidade, que já é um passo muito importante em si, mas ir além disso, e aprender como sentir-se transformado e realizado através da sua própria sexualidade. A sexualidade poderá ser vivida por si como uma parte baixa e obsessiva da sua vida ou como uma fonte sagrada de poder e bem-estar. Não há ponto médio. O primeiro passo é reposicionar a sua energia sexual em si próprio, em vez de a “dar” às mulheres. Depois é preciso aprender a arte da “caça” – o papel específico que um homem deve assumir na “dança” entre homem e mulher.

Encontrar uma Parceira em Termos Iguais

Todos podem arranjar uma parceira, o problema é manter essa parceira. Para fazer isto é necessário aprender a encontrar a sua parceira como um ser diferente mas igual. Isto significa respeitá-la mas também respeitar-se a si próprio. De modo a ter uma relação duradoura e com sucesso, terá por vezes de discutir ferozmente e fazê-lo de um modo seguro e focalizado para que os problemas sejam resolvidos. Nos actuais casamentos modernos, em geral, as mulheres abandonam homens demasiado “moles” e homens demasiado “durões” afastam rapidamente mulheres que se auto-respeitam. O homem moderno deve aprender a comunicar rapidamente.

Tempo de Qualidade com os Filhos

Não é possível ser-se pai à distância, por intermédio de outra pessoa, por detrás de um jornal, olhando para a TV ou deixando tudo ao cuidado da sua parceira – porque uma mulher não possui todos as valências necessárias para tal. É preciso encontrar o equilíbrio certo para os seus filhos entre ser “duro” e “suave”. Isto é especialmente importante para os rapazes. Eles irão precisar de muitas horas por dia dos seus cuidados, se é para progredirem no sentido da sua masculinidade. As filhas também dependem do pai para uma larga fatia da sua auto-estima.

Aprender a ter Verdadeiros Amigos Homens

Você precisa de ter apoio emocional de outros homens e descobrir como completar a sua própria iniciação na masculinidade. Deve também encontrar maneira de dar isto aos seus próprios filhos adolescentes. Todos os homens necessitam da ajuda de outros homens para completar algumas transições na sua vida, assim como para ter uma vida com calor humano e descontraída.

Satisfação no Trabalho

Empreenda esforços para encontrar um trabalho ou profissão em que acredite. Isto para que o seu tempo e a energia da sua vida sejam gastos na direcção do seu coração ou motivação. Não é suficiente só encontrar um ganha-pão. O verdadeiro trabalho dos homens é de apoiar e proteger a vida, de ajudar a construir um mundo melhor. Se não acredita no seu trabalho, então a suas contradições internas podem começar a matá-lo aos poucos, dia após dia. Isto é muito importante.

Liberte o seu Espírito Selvagem

O deus dos homens não se encontra nos subúrbios ou nas torres de escritórios. A estabilidade interior não é conseguida através das conquistas, realizações profissionais ou de bens que possui. Precisa de encontrar uma base espiritual para a sua vida interior que seja especificamente masculina e baseada na natureza, que o ligue ao planeta no qual vive. À medida que envelhece esta ligação será a sua fonte de força e harmonia, libertando-o do medo e das dependências nos outros.

Traduzido e adaptado por Jaime Graça a partir de - Biddulph, S., “Manhood”, Hawthorn Press, Gloucestershire, 2003.

Imagem: Google

terça-feira, 29 de abril de 2008

O Nosso Medo Maior


"O nosso maior medo não é o de sermos incapazes.
O nosso maior medo é descobrir que somos muito mais poderosos do que pensamos.
É nossa luz e não nossa escuridão, aquilo que mais nos mete medo.
Questiona-mo-nos: quem sou eu para ser isso? Para ser brilhante, sedutor/a, talentoso/a, fabuloso/a?
Na verdade, quem és tu para não seres?
És um/a filho/a de Deus.
Quando fazes o jogo de não sobressair não estás a ajudar o mundo.
Não existe nada de luminoso em nos diminuirmos para que os outros não se sintam inseguros ao nosso lado.
Nascemos para manifestar a glória de Deus que está em todos e não apenas em alguns eleitos.
E quando deixamos a nossa luz brilhar damos permissão inconscientemente para que os outros também façam o mesmo.
Quando nos libertamos do nosso próprio medo, a nossa presença automaticamente liberta os outros!"

Marianne Williamson, “O Regresso ao Amor"

Imagem: Google

Evitar a Experiência Presente

“Consciente ou inconscientemente, por vezes evitamos a experiência do presente. Pura e simplesmente não estamos lá. É como os ingleses dizem em tom de laracha: “As luzes estão acesas mas não está ninguém em casa”. A parte triste é que muitas vezes hipotecamos partes das nossas vidas, decidindo não viver o presente. Depois, mais tarde, temos dificuldade em nos lembrar como era a pessoa com quem falámos, o que sentimos ou mesmo o que fizemos. Pois é, isto são sinais claros de não termos estado lá e, para tornar as coisas mais simples, seguem alguns exemplos de “Como Não Estar”:

- Repetição da História, Contar Histórias e Antecipação.

Em geral indica resistência para trabalhar com emoções e sentimentos no momento presente.

- Sobrismo. Refere-se à procura das explicações causais –
como que à procura de uma ideia (insight) “sobre” o problema,
tentando encontrar um remédio para ele.
Em contraste a Gestalt dá ênfase ao dar-se conta
dos sentimentos e emoções no presente i.e. a experiência do que
se está a passar em vez da interpretação dessa mesma experiência.

- Devismo. É uma abordagem que envolve juízos de valor
sobre partes de nós próprios que são consideradas inadequadas.
Emerge como um conflito frequente no caminho de
desenvolvimento espiritual e em comunidades espirituais –
em relação a crenças dogmáticas, atitudes e
expectativas do próprio e dos outros.
Muitos de nós desenvolvemos uma
relação ficcional com quem pensamos que devemos ser
em vez de uma relação real com quem somos.

- Manipulação. Pode tomar uma forma subtil de dizer
ou fazer a coisa certa, com o objectivo de parecer bem,
para ser um bom rapaz ou uma boa rapariga ou para alcançar um bom nível de desempenho.”

http://cafeemocional.wordpress.com/

Imagem: Magritte, "L'Empire des Lumières




segunda-feira, 28 de abril de 2008

A Nossa Lenda Pessoal


Para os leitores do meu blogue que possam estar interessados, informação sobre workshop a realizar no próximo 10 de Maio, sábado:

"Todos temos uma Lenda a honrar, um Sonho a realizar, uma Energia a incarnar que desenha o caminho da nossa vida.

Esta energia pertence à nossa Essência e provém de uma herança muito antiga, ligada a outros planetas. Ela é uma das possibilidades de expressão da nossa Essência que se torna viva e toma forma porque nós a encarnamos.

Apreender a nossa Lenda é tomar consciência de qualquer coisa que está antes de nós ; é ao mesmo tempo descobrir a nossa herança cósmica para a potencializar sobre a terra, o que é também enriquecê-la, fazê-la crescer.

Porque é quando nos apropriamos das qualidades específicas da nossa Lenda que nós somos os Operadores de Mundos, Aliados do Tempo, Mestres da Música ou Guardas da Obra. Nós acedemos a esses códigos celulares particulares que produzem campos de informação, campos morfogenéticos que abrem a nossa consciência, alimentando o nosso corpo de luz. Eles enraízam o nosso poder pessoal sobre a Terra para voltarmos ao Criador.

Nós alimentaremos assim a Mónada, o nosso corpo divino, e tornar-nos-emos as Crianças Reais da nossa linhagem celeste.

Caminhantes de sonhos, deambulamos então pelos mundos, trazemos a Palavra secreta que define o nosso clã, fazendo ecoar os antigos Cânticos de Poder que honram a nossa humanidade e afirmamos sobre a Terra o Saber Mágico que nós trouxemos do tempo e do Espaço."

Custo: 80 € para cada Seminário + Despesas de Almoços (O grupo vai almoçar em conjunto)

As inscrições estão abertas desde esta data até ao dia 29 de Abril

Imagem: Catherine Denis e Annick Rouaud

(dinamizadoras)

Enviado por Carla Salgado

FESTA VERMELHA


Sugiro que dê uma espreitadela ao blogue Mulheres & Deusas e leia sobre esta FESTA!!!
Celebre a glória de ter nascido Mulher e de ser portadora da Vida!
Imagem: http://carmemzita.blogs.sapo.pt/2007/02/

domingo, 27 de abril de 2008

África: "Os ventos da Mudança"

“(...) Após a sessão de canalização que eu fiz com o Arcanjo Miguel, uma pessoa na audiência perguntou o que poderia ser feito para mudar ou trazer a mudança para Robert Mugabe. Patrícia Cota-Robles sugeriu que nós o mantivéssemos em nossos corações em nosso Amor Incondicional.Isto me surpreendeu um pouco, pois sendo desta parte do mundo, eu estava acostumada a vê-lo como a personificação de tudo que era "errado", esta era certamente uma nova ideia para mantê-lo como uma "criança ferida" e dar-lhe todo o amor que era possível do Feminino Divino ou do aspecto da Mãe de Deus. E quando isto é feito, possibilita a pessoa de desatar a ligação. Eu não duvido que a ligação de Mugabe com o poder foi enfraquecida, e que ele é incapaz de se manter mais, e que o povo de Zimbabwe está preparado para resgatar o seu poder e começar a criar outra realidade. E isto foi feito através do voto popular e da democracia, e não através da guerra e da carnificina. (...)”

Leia mais em: http://starchildglobal.com/portuguesa/ em 25 de Abril: Os Ventos da Mudança Alcançam a Força de Tempestade”.

Imagem: Google

A VERDADE SOBRE O CONSUMO


O que é a "História das Coisas"?

"Um pequeno documentário educativo que apresenta importantes informações sobre questões ambientais e sociais dentro da temática do consumo de produtos, que representa um assunto urgente e de vital importância para a sobrevivência de todo o Planeta e da espécie Humana, para o presente e o futuro.

A História das Coisas é um documentário rápido e repleto de factos que olha para o interior dos padrões do nosso sistema de extracção, produção, consumo e lixo. Desde a sua

extracção, transformação até à sua venda, uso e disposição, todas as coisas que compramos e usamos na nossa vida afectam as sociedades e o ambiente a nível local e mundial. Normalmente as consequências de um consumo descuidado são desastrosas em vários níveis, mas a maioria destes factos são por vários motivos propositadamente manipulados e escondidos dos nossos olhos pelas empresas e políticos cujos objectivos principais são o lucro e o poder, que obtêm ao promover um consumo exacerbado que só pode ser realizado à custa de toda a vida na Terra, de sofrimento, exploração e destruição ambiental.

A História das Coisas expõe assim as conexões entre um enorme número de importantes questões ambientais e sociais, demonstrando com factos, que ao consumirmos de forma inconsciente e desmedida, estamos a destruir o mundo e a auto-destruirmo-nos, e assim apela-nos a criar uma maior consciência do problema e um mundo mais sustentável e justo para todos, para o planeta Terra e para futuras gerações.

Este documentário vai-nos ensinar algo, fará rir, e essencialmente acabará por mudar para sempre a maneira como olhamos para todas as coisas que existem na nossa vida, fazendo-nos adquirir uma nova visão e respeito pelo ambiente e pelas pessoas. Um excelente documentário a não perder. Veja mais documentários e saiba mais informações importantes mais para o final."

VER DOCUMENTÁRIO EM PORTUGUÊS:

http://video.google.com/videoplay?docid=-3412294239230716755&hl=en

Participe no debate acerca deste tema em:
http://www.eco-gaia.net/forum-pt/index.php/topic,820.0.html

Website original do documentário: http://www.storyofstuff.com


Organização e Apoio: InfoNature.Org
Tradução e Legendagem: DocsPT


sábado, 26 de abril de 2008

MULHERES CELTAS

Um outro mail interessante de autor desconhecido (obrigada, Rosa Leonor!):

MULHERES

CELTAS

As mulheres de origem Celta eram criadas tão livremente como os homens. Era-lhes dado o direito de escolherem os seus parceiros e nunca poderiam ser forçadas a uma relação que não queriam. Eram ensinadas a trabalhar para que pudessem garantir o seu sustento, e eram excelentes amantes, donas de casas e mães.

A primeira lição era:

“Ama o teu homem e segue-o, mas somente se ambos representarem, um para o outro, o que a Deusa Mãe ensinou:

Amor, companheirismo e amizade”

Jamais permitas que algum homem te escravize: tu nasceste livre para amar, e não para ser escrava.

Jamais permitas que o teu coração sofra em nome do amor. Amar é um acto de felicidade, porquê sofrer?

Jamais permitas que os teus olhos derramem lágrimas por alguém que nunca te fará sorrir!

Jamais permitas que o uso do teu próprio corpo seja cerceado. Sabe que o corpo é a moradia do espírito. Porquê mantê-lo aprisionado?

Jamais te permitas ficar horas esperando por alguém que nunca virá, mesmo tendo prometido!

Jamais permitas que o teu nome seja pronunciado em vão por um homem cujo nome nem sequer sabes!

Jamais permitas que o teu tempo seja desperdiçado com alguém que nunca terá tempo para ti!

Jamais permitas ouvir gritos nos teus ouvidos. O Amor é o único que pode falar mais alto!

Jamais permitas que paixões desenfreadas te levem de um mundo real para outro que nunca existiu!

Jamais permitas que outros sonhos se misturem aos teus, tornando-os um grande pesadelo!

Jamais acredites que alguém possa voltar quando nunca esteve presente!

Jamais permitas que teu útero gere um filho que nunca terá um pai!

Jamais te permitas viver na dependência de um homem como se tivesses nascido inválida!

Jamais te ponhas linda e maravilhosa a fim de esperar por um homem que não tenha olhos para te admirar!

Jamais permitas que os teus pés

caminhem em direcção a um homem que vive fugindo de ti!

Jamais permitas que a dor, a tristeza, a solidão, o ódio, o ressentimento, o ciúme, o remorso e tudo aquilo que possa tirar o brilho dos teus olhos te dominem, fazendo arrefecer a força que existe dentro de ti!

E, sobretudo, jamais permitas que tu mesma percas a dignidade de ser...

MULHER

Siga os ensinamentos dos celtas
e tenha uma vida mais digna!

Minha homenagem a ti, mulher.
Sejamos sempre MULHER!!!

sexta-feira, 25 de abril de 2008

Defeito Incorrigível na Mulher


Este é o conteúdo de um daqueles mails que de vez em quando dão umas quantas voltas ao globo e regressam à nossa caixa do correio (obrigada, Henriqueta!). É sempre um encanto para mim recebê-lo, porque, além de muito criativo e divertido, é muito justo, revelando na perfeição o quão fantástico é o ser chamado Mulher.
Como toda a preciosidade, ela é ameaçada por vários
perigos, internos e externos; é alvo da cobiça, da calúnia, da ganância e encontra-se numa situação de “escravatura estilizada” (Inês Pedrosa). No entanto, as forças que a trarão ao completo domínio do futuro estão aí e não há mais como evitá-las...


Aqui vai. Não retirei as marcas do português do Brasil de propósito, para ficar mais doce. Quanto ao autor, não consegui ver mais que um simples nome: Guilherme. Bem-haja.

“Fiz questão de traduzir este trabalho

para expressar minha homenagem

a umas poucas mulheres,

que eu admiro

sincera e profundamente.

UM DEFEITO NA MULHER

Quando Deus fez a mulher, já estava nas horas extras de seu sexto dia de trabalho.

Um anjo apareceu e Lhe disse: “Por que gastas tanto tempo com esta?"

E o Senhor respondeu: “Você viu minha “Folha de Especificações” para ela?"

“Deve ser completamente lavável, porém não ser de plástico, ter mais de 200 partes móveis, todas arredondadas e macias e ser capaz de funcionar com uma dieta de qualquer coisa e sobras, ter um colo que possa acomodar quatro crianças ao mesmo tempo, ter um beijo que possa curar desde um joelho raspado até um coração ferido e fazer tudo isso com somente duas mãos."

O anjo se maravilhou com os requisitos.

“Somente duas mãos....Impossível!

E este é somente o modelo Standard?

É muito trabalho para um só dia...

Espere até amanhã para terminá-la, Senhor.”

“ Não o farei, protestou o Senhor. Estou muito perto de terminar esta criação, que é a favorita de Meu próprio coração.

Ela já se cura sozinha, quando está doente e pode trabalhar 18 horas por dia.”

O anjo se aproximou mais e tocou a mulher.

“Porém a fizeste tão suave, Senhor!”

“É suave", disse Deus, “porém a fiz também forte. Não tens idéia do que pode aguentar ou conseguir.”

"Será capaz de pensar?" perguntou o anjo.

Deus respondeu:

“Não somente será capaz de pensar , mas também de raciocinar e negociar"

Então, notando algo, o anjo estendeu a mão e tocou a pálpebra da mulher....

"Senhor, parece que este modelo tem um vazamento...

Eu Te disse que estavas colocando muitas coisas nela"

“Isso não é nenhum vazamento... É uma lágrima“,

corrigiu-o o Senhor.

"Para que serve a lágrima?" perguntou o anjo.


E Deus disse:

“As lágrimas são sua maneira de expressar sua sorte, suas penas, seu desengano, seu amor, sua solidão, seu sofrimento e seu orgulho."

Isto impressionou muito ao anjo

“És um gênio, Senhor.

Pensaste em tudo. A mulher é verdadeiramente maravilhosa"

“ Sim, ela é!

A mulher tem forças que maravilham os homens.

Aguentam dificuldades, carregam grandes cargas físicas e emocionais, porém, têm amor e sorte.

Sorriem, quando querem gritar.

Cantam, quando querem chorar.

Choram, quando estão felizes e riem, quando estão nervosas.

Lutam por aquilo em que acreditam.

Enfrentam a injustiça.

Não aceitam "não" como resposta, quando

elas acreditam que existe uma solução melhor.

Se privam, para que sua família possa ter algo.

Vão ao médico com uma amiga que tem medo de ir.

Amam incondicionalmente.

Choram quando seus filhos triunfam e se alegram

quando suas amizades conseguem prêmios.

São felizes, quando ouvem falar de um nascimento ou casamento.

Seu coração se despedaça, quando morre uma amiga.

Sofrem com a perda de um ser querido, mas são ainda mais fortes quando pensam que já não há mais forças.

Sabem que um beijo e um abraço podem ajudar a curar um coração ferido.


Porém, há um defeito

incorrigível na mulher:

“É que ela esquece o quanto vale!"

Imagem: www.oldreligion.com.br

Festejar a Liberdade


Embora tenha alguns craveiros na minha varanda, nenhum deles é um verdadeiro cravo vermelho de Abril - lamentavelmente, devo dizer.

Foi o post que encontrei esta manhã no blogue de Rosa Leonor que me recordou a ingratidão com que muitas vezes nem reparamos mais nesta data...

Subscrevo tudo quanto aí diz Fernanda Câncio do DN e a própria autora, e é mesmo abusiva a forma como agora usamos o conceito de ditadura e de fascismo...
A Pide a vasculhar o nosso correio, a nossa casa, os nossos livros... conheci. E o medo visceral. E tudo era tão pequenino, apertadinho, pobrezinho, preconceituoso e asfixiante...

É mesmo para festejarmos, até por aquele gesto tão grandioso, simbólico e revelador da verdadeira qualidade da nossa alma: os cravos no cano das espingardas...

Nós somos aquele povo que resolveu as armas com as flores, certo?

Imagem: Google

quinta-feira, 24 de abril de 2008

Jardins


"No Inverno, os ramos nus
que parecem dormir
trabalham em segredo,
preparando-se para a Primavera."
Jalal ad-Din Muhammad Rumi (poeta, jurista e teólogo muçulmano do séc. XIII)

É possível ter roseiras em flor numa simples varanda! Roseiras antigas.E vê-las crescer e florir em Março e Abril é uma bênção da vida.

"(...) o que vale é o significado atribuído, por exemplo, a uma mini horta distribuída em vasinhos na cozinha ou às flores dispostas no parapeito da janela. O importante é o vínculo de carinho e cuidado estabelecido entre as partes. Siga o exemplo do Principezinho, o imortal personagem do escritor Antoine de Saint-Exupéry. Eleja a sua flor da qual só existe um exemplar em milhões e milhões de estrelas; isso basta para fazê-lo feliz quando a contempla (...)"
in "As lições secretas dos jardins"

http://www.jardimdeflores.com.br/ESPECIAIS/A37licaosecreta.html
Imagem: Google

quarta-feira, 23 de abril de 2008

SEMANA SEM TELEVISÃO



Para quem lê francês, vale a pena este artigo de François Brune, "A Televisão ou o Planeta?", sobre o poder nefasto, a vários níveis, da televisão no nosso quotidiano actual. (Não falo do meu, já que é raro ligá-la...)

Do mesmo tema trata o documentário Zeitgeistmoovie (aqui na Net).

Nesta matéria podemos escolher entre duas opções: ou vivemos a nossa vida, ou vemo-la passar, completamente hipnotizados e embrutecidos, no ecrã da nossa televisão...

Semana sem televisão em França: de 21 a 27 de Abril.

Outro post que fala do mesmo: " O perigo da televisão".

LEIS UNIVERSAIS


“Toda a criação é governada por leis. Os princípios que operam no mundo físico estudados pela ciência são as leis naturais. Por outro lado, desde sempre que toda a sabedoria e conhecimentos espirituais, iniciáticos, revelaram leis subtis que presidem ao plano espiritual e à dimensão da consciência. De acordo com essa sabedoria, a verdadeira natureza da matéria está contida nestas leis. Conhecê-las é transcender gradualmente a dualidade da realidade aparente. Vivê-las é conquistar a verdadeira liberdade interior. “Conhece a Lei e sê livre”, dizem os mestres. Ser uno com elas é assumir a nossa condição de seres espirituais a ter uma experiência humana e fundirmo-nos com o princípio primordial da Vida: o Amor Universal.

Utilizar a Lei de forma consciente é uma experiência maravilhosa e uma grande aventura: é sentir que podemos plantar sementes com as nossas intenções e vê-las gradualmente tomar forma.”

A Fé


“A ideia de que a fé só tem a ver com a nossa experiência religiosa é um erro. A Fé é uma faculdade da mente que tem a sua máxima expressão na atitude religiosa, mas a pessoa que tem fé na sua própria habilidade empreende sempre mais coisas que aquela que não tem confiança em si. Os que têm grande fé têm grande poder. A Fé é uma abordagem mental e afirmativa à Realidade. O que é o medo? Nada mais do que um uso negativo da fé... fé deslocada.”
in Ciência da Mente, Ernest Holmes

Lei de causa e Efeito ou do Carma


O ser humano caminha num longo processo evolutivo. Todas as nossas escolhas passadas condicionam o nosso presente, pela positiva ou não. A maioria dessas escolhas é inconsciente. O biólogo Dr. Bruce Lipton afirmou que cerca de 95% do que criamos na nossa vida fazemo-lo de forma inconsciente (os nossos hábitos, automatismos, padrões inconscientes de resposta ao meio). Por isto, atraímos tantas vezes para a nossa vida circunstâncias de que não gostamos. São as leis da Vibração e do Carma, Atracção juntas em acção.

Exercício: torne-se observador das suas escolhas. Escolha conscientemente e, perante uma dada decisão, medite na escolha que, para além do seu bem pessoal, beneficia todos os envolvidos. A gratidão e o perdão são as melhores escolhas para cada um semear um carma amoroso e abençoado.

“Para toda a acção há sempre uma reacção igual oposta.” Isaac Newton

Lei do Dharma

O dharma corresponde, fundamentalmente, ao propósito evolutivo da nossa vida. O caminho que devemos seguir rumo à Verdade. O alinhamento do nosso carma de acordo com uma dada direcção, que é o propósito e o rumo da nossa vida e que por sua vez está em sintonia com a divina ordem universal. É tornarmo-nos sucessivamente na pessoa que nascemos para vir a ser. O dharma é o Plano do Universo para nós. Quanto mais transcendemos o nosso carma, mais tomamos consciência do nosso dharma, e mais alinhamos a nossa vida com este.

Lei da Atracção


A Lei da Atracção e da Analogia são Leis fundamentais da manifestação. Integram os princípios:

- O semelhante atrai o semelhante;

- O que está em baixo é como o que está em cima, e o que está em cima é como o que está em baixo, para que se realize o milagre da coisa una. (Excerto da Tábua Esmeralda, de Hermes Trimegistus).

O maior agente unificador do Universo é a energia do Amor-Sabedoria, e o propósito da Analogia é conduzir a mente de volta ao sentido da unidade (a iluminação). Os pensamentos e imagens que retemos nas nossas mentes consciente e inconsciente manifestar-se-ão, espelhados nas nossas circunstâncias externas. O mundo exterior é um espelho do mundo interior. Quando esta Lei é usada conscientemente, aumentará a claridade da nossa visão e possibilitará à mente penetrar gradualmente nos segredos da Vida, iluminando muitos paradoxos e esclarecendo muitas questões.

A analogia, ou correspondência, estabelece a interligação entre todas as coisas no universo e mantém todas as coisas em relação entre si.

De acordo com a Lei Universal da Atracção, o Universo quer para nós o que nós queremos para nós próprios. Ou seja, o Universo respeita a nossa consciência e o que o seu nível evolutivo atrai. Recebemos o que damos, porque damos a nós mesmos. O que fazemos, fazemos a nós mesmos, pela Lei do Carma. A Vida trata-nos como nos tratamos a nós mesmos (consciente e inconscientemente).

Lei da Intenção e da Manifestação


“A energia segue o pensamento”, axioma esotérico.

Pensamos e agimos. O pensamento é uma força criadora. A mente humana é uma centelha da mente infinita de Deus.

Alinhe-se com a fonte universal (através da meditação ou oração), focalize-se na sua intenção (mantenha-a na mente) e tome iniciativa no plano físico, de acordo com essa intenção. Paralelamente, desenvolva o desapego pelos resultados. O processo da criação na vida não é para focarmos obcecados como um fim em si mesmo, mas para aprendermos a amar a sacralidade de todo o processo, instante a instante.
Se quiser viver com mais autenticidade, ponha intenção no que fizer; respire com a intenção de ter saúde, trabalhe com intenção de se realizar. A intenção ajuda a construir o seu caminho de vida.

Lembre-se de que o Universo não funciona pela competição, mas pela cooperação. Devemos ser co-criadores, não competidores. A evolução não anda para trás, não é reversível (não é possível a um anfíbio voltar a ser peixe). A excelência é o impulso silencioso no coração da humanidade, e é auto-superação. A auto-superação não é luta: é evolução, é criatividade.

Quanto mais tempo um pensamento puro (isento de outro pensamento) é mantido na mente, mais poderoso o resultado. Esta é a iniciação no processo de manifestação das nossas intenções. A atenção energiza um desejo; a intenção transforma a realidade promovendo a manifestação do desejo.

Lei da Vibração ou da Ressonância


É a base da manifestação. Nada está estático: tudo se move e vibra. Esta é a Lei do progresso, do movimento e da rotação. A Matéria, densa, é energia a vibrar em baixas frequências; o pensamento, subtil, é energia vibrando em frequências mais elevadas. Tudo o que existe está em constante vibração e movimento. Nós somos receptores e emissores de vibrações, em relação ao nosso meio ambiente. Tudo é energia em vibração.
A Ciência
diz que ao nível subatómico a matéria aparentemente sólida não existe como tal: o que existe é um gigantesco, imenso, campo quântico de energia onde todos se relacionam com o todo. Logo, a aparente separação do mundo físico, não existe do ponto de vista científico.

Nesse campo quântico onde todos nós existimos, atraímos a nós as pessoas e as circunstâncias que estão na mesma onde vibratória, que entram em ressonância com o nível energético em que nós vibramos. As emoções mais densas, como o rancor e a tristeza, correspondem a frequências mais baixas de vibração e atraem frequências de igual valor, ou seja, mais do mesmo: zanga e frustração. Aquilo que emitimos, ser-nos-á assim devolvido. O destino é assim a consequência directa das energias de cada um. Nada acontece por acaso.


É a sua capacidade de aumentar a sua vibração (através da meditação, oração, gratidão, serviço aos outros, bondade, pacificação interna, desapego, diversas práticas espirituais) que produz maior abundância na sua vida. Quando se torna mais luminoso, mais luz pode entrar na sua vida, sob a forma de sabedoria, amor, prosperidade, felicidade, paz, bem-aventurança.

Lei do Não Julgamento


A Mente Universal não julga. Os julgamentos são invenções humanas, formas de nos compararmos e de controlarmos, enquanto criamos padrões estandardizados – muitas vezes irrealistas e artificiais – de perfeição e moralidade. De acordo com a Lei da Atracção, os julgamentos que fazemos atrairão julgamentos que nos serão feitos a nós, em igual medida.

Lei da Oração e da Meditação


A oração é uma acção consciente que visa a comunhão com Deus. É também um processo de alinhamento e de abertura do nosso Eu profundo para com a Fonte Universal, onde manifestamos o nosso desejo de sermos inspirados e iluminados por essa Fonte.

Meditar é libertarmo-nos, esvaziarmo-nos de obstáculos à ligação com a Fonte Divina, o que nos permite receber essa Presença Amorosa. Na meditação, sintonizamo-nos com a Fonte Espiritual e a Força Criativa Divina pode elevar-se ao longo dos canais físicos e espirituais do nosso corpo e disseminar-se através dos chacras.

Medite diariamente nesse encontro com Deus no templo do seu corpo consagrado.

Lei do Perdão


Vendo tudo com Amor, desistimos dos “ajustes de contas”. Perdoar, libertar os ressentimentos, permite que a Lei da Graça interfira nas nossas vidas, libertando-nos de carma individual. A não-violência é o resultado natural das Leis do Perdão e do Amor. Todo o bem deriva do perdão. O perdão é quietude da mente.

Para mim, o perdão é sagrado; é uma virtude espiritual. Como somos espírito, todos temos naturalmente acesso a ele.

Perdoar não significa que eu aceito e valorizo o comportamento agressivo do outro, que eu passo uma esponja e esqueço automaticamente tudo, como se apagasse nas células do meu cérebro aquelas que contêm a memória da ocorrência. O que acontece é que, quando me lembro da situação e fiz um trabalho honesto de perdão, a dor sentida antes vai diminuindo cada vez mais até que um dia recordo-me da situação e já não dói! Até que me esqueço da própria situação. O perdão transforma-se assim numa extraordinária conquista do amor. Uma conquista que nos traz gradualmente um crescendo de paz interior, que liberta grandes quantidades de energia psíquica/emocional, que passamos a ter disponível para fazermos outras coisas na nossa vida.

O perdão depende da minha capacidade de me abrir e de sustentar o amor na minha vida, não das acções ou reacções de quem me causou dano. O perdão depende de quanto eu aceito e integro na minha vida a consciência de que sou merecedor de ser amado e de uma vida abundante em relacionamentos gratificantes, não de quanto mais desconsiderações, insultos ou perdas estou disposto a suportar. O perdão verdadeiro (haverá outro?) só nasce de uma postura de abundância, de uma serena mas poderosa focalização do coração no amor que está para além do julgamento. O perdão não nasce da ansiedade, dum esforço que drena a vitalidade, do medo, das ameaças, dum negócio com contrapartidas, da manipulação ou da tentativa de ser bonzinho para que outros sejam como eu quero. O perdão verdadeiro só nasce da liberdade. Liberdade de escolha, liberdade de nos amarmos mais, liberdade em relação à ilusão de que estamos melhor com o ganho secundário da dor e do ressentimento. Liberdade de aceitarmos a Vida na íntegra, de aceitarmos aprender atentamente nesta escola com as experiências que nos elevam aos cumes da gratidão e com as que nos levam aos abismos da desilusão e do desespero. Perdoar é uma das experiências mais alquímicas que conheço, capazes de transformar o nosso corpo físico.

Lei Universal da Unidade


Estamos todos ligados transportando a semente Divina. Esta é a forma como começamos e como nos desdobramos até à eternidade. É apenas na terceira dimensão, ou na forma física, devido à separação aparente, que vivemos entre o nosso Self (Eu divino) e a personalidade, que experimentamos a ilusão de que estamos sós. O medo entra no nosso corpo emocional devido a esta ilusão e começa a fechar mais e mais a nossa ligação à Fonte. Do mesmo modo, e porque Somos Todos Um, quando permitimos o crescimento da alma em nós, de uma forma profunda e maravilhosa, todos beneficiam.

Quem está mais próximo de Deus é quem abraça mais de si mesmo, quem é mais uno dentro de si, quem se aceita mais e assim tem o poder de transformar o seu eu inferior, de o iluminar, naquela que é a experiência fundamental da encarnação: trazer o espírito à matéria. Se Deus é a máxima unidade, quanto mais inteiro eu estiver, quanto mais inclusivo eu for, mais próximo estarei da presença de Deus. Quanto mais dividido estiver com preconceitos, xenofobias, racismos e falsas identificações só com o meu lado virtuoso (eu sou melhor que tu), mais longe estarei da graça divina.

A espiritualidade é acerca de Ser, não de ser algo. E o ser – o estar consciente, atento e presente a todo o momento - é a cura para as feridas da nossa criança interior abandonada, com medo do abandono, vazia de amor. Aprender a cultivar essa presença interior em todas as circunstâncias da vida é a raiz do verdadeiro poder. Dessa forma, a criança sofrida dentro de nós vai aprendendo a confiar na nossa capacidade de tomar boa conta dela, de estar lá para ela sempre que precisa, e tem a oportunidade extraordinária de continuar connosco pela vida, aninhada e segura no nosso coração, crescendo com as nossas conquistas e reconstruindo a sua natureza de amor.

Lei Universal da Economia ou do Mínimo Esforço

Esta é a Lei que ajusta tudo o que se refere à evolução material e espiritual do cosmos de acordo com o menor dispêndio de recursos/energia. Esta Lei convida-nos a usar em tudo o que fizermos de bom senso, discriminação e um verdadeiro sentido de valores (que ordenará as nossas prioridades) pois, se estes estiverem presentes, o tempo será economizado, a energia distribuída com sabedoria, eliminado o zelo excessivo, e nós seremos canais cada vez mais apurados para a obra da evolução.

Lei dos Ciclos

A Natureza caracteriza-se pelos seus ciclos – como a sucessão do dia e da noite ou das estações. As estações não se empurram umas às outras. Todas as coisas sucedem no devido tempo. Tudo tem um tempo de ascender e um tempo de cair. O que se eleva desce e o que desce volta a ascender.

Há um tempo para tudo na vida e para experimentarmos diversas emoções, diversas versões de nós próprios, diversos papéis, diversas modalidades de viver a vida de acordo com a consciência de cada momento.

Quando nos treinamos a testemunhar tudo isto e percebemos que é a vida que nos acontece e que baila connosco a dança da Terra, começamos a perceber muitas coisas, entre as quais:

- Que não adianta tentarmos defender-nos de algo que afinal não está fora mas dentro de nós;

- Que pormo-nos em ordem interna é resolver o mundo inteiro e nisso nos pacificarmos.

- Que o treino é quase tudo.

- Que o AMOR somos nós, vem de nós, e que a ele não podemos fugir porque ele é uma Lei, exactamente como cada Vida: é uma Lei divina que você viva. Que viva a sua vida na mais luminosa versão de si mesmo.

Para tudo há um tempo, para cada coisa há um momento debaixo dos céus:

Tempo para nascer e tempo para morrer; tempo para plantar e tempo para arrancar o que foi plantado;
Tempo para matar e tempo para sarar; tempo para demolir e tempo para construir;
Tempo para chorar e tempo para rir; tempo para gemer e tempo para dançar;
Tempo para atirar pedras e tempo para ajuntá-las; tempo para dar abraços e tempo para apartar-se.
Tempo para procurar e tempo para perder; tempo para guardar e tempo para jogar fora;
Tempo para rasgar e tempo para costurar; tempo para calar e tempo para falar;
Tempo para amar e tempo para odiar; tempo para a guerra e tempo para a paz.
Eclesiastes 3, 1-8, Bíblia Sagrada

Lei do Agora


O tempo não existe; esta ideia é uma convenção, um acordo social. Passado e futuro só têm realidade nas nossas construções mentais. Na verdade, só temos o agora. Quando mantemos um remorso ou mágoa por algo ocorrido no passado, mantemos a ocorrência viva através de imagens e sentimentos que evocamos. Quando estamos ansiosos em relação ao futuro, mantemos a ânsia viva através de imagens que visualizamos na mente. Quando praticamos o recordar que o aqui e agora é tudo o que temos, o nosso presente melhora. O único momento que temos é o agora. É onde criamos. As consequências dos actos passados são geridas pelas Leis do Carma e do Dharma. O futuro é construído a partir dos pensamentos de hoje, vestidos pela emoção e conduzidos pela acção. Evoluir espiritualmente significa também aprendermos a perceber o sentido de ordem e a perfeição inerentes ao momento presente.

O poder do agora – aprendamos a trazer para o agora os nossos sonhos e o nosso coração. É preciso pensarmos coisas novas para magnetizarmos coisas novas. O semelhante atrai o semelhante, e nós precisamos de nos desidentificar com o negativo, com aquilo que nos disseram que nós éramos, com as expectativas dos outros sobre nós, e construir a nossa vida de acordo com o nosso merecimento – a perfeição de uma vida abundante! É preciso desidentificarmo-nos com o passado – não significa deixarmos de ter uma história. Significa a criação permanente da nossa história, sabendo que nós somos esse poder amoroso de transformação.

Lei da Flexibilidade


Esta lei implica uma aceitação pragmática do momento presente. Aceitarmo-nos a nós, aos outros e às circunstâncias tal como se apresentam em vez de lhes manifestarmos uma rígida resistência. Isto requer um estado de consciência alerta e expansivo, e a capacidade de abraçar o agora fazendo um uso construtivo do momento. Neste estado de consciência, as pedras no caminho transformam-se em degraus e os problemas em oportunidades. Tudo serve o nosso maior bem, se fizermos um bom uso de tudo.

A maneira mais rápida de evoluir é dizendo sim à Vida, porque estaremos a aplicar a Lei da Flexibilidade. Fluir com a Vida, não oferecer-lhe resistência, produz verdadeira transformação interior que abre as portas às bênçãos. Todos os dias podemos escolher resistir ou aceitar aprender com a Vida.

De acordo com o “Um Curso em Milagres”, cada escolha que fazemos na vida é uma escolha entre o milagre ou a dor/ remorso/amargura. Liberte-se da dor, do remorso, da amargura e escolha o milagre.

Lei da Polaridade


Tudo é dual na dimensão em que vivemos. Tudo tem o seu oposto-complementar. Os opostos são idênticos em natureza, mas diferentes em grau. Todos os paradoxos são reconciliáveis. Tudo tem a sua polaridade; tudo o que É, tem o seu duplo: positivo e negativo, luz e trevas, mortalidade, imortalidade, feminina, masculino, sol e lua, etc.

Ao nível físico, da matéria, os opostos atraem-se e os semelhantes repelem-se:
- Nos ímanes: a atracção entre os pólos norte e sul.
- Na electricidade: ter carga eléctrica é uma propriedade da matéria. Os átomos têm no seu núcleo os protões cuja carga eléctrica é positiva e em seu redor orbitando, uma nuvem de electrões de carga eléctrica negativa. Em função das polaridades opostas foram atribuídos sinais positivo e negativo às cargas eléctricas. As que possuem o mesmo sinal de polarização repelem-se enquanto que as de sinal diferente se atraem.
Os conceitos Yin e Yang estão presentes na mitogénese chinesa da criação da terra e da humanidade. O princípio do Yin e do Yang - os elementos masculino e feminino da Natureza - é o princípio básico de todo o Universo. É o princípio de tudo quanto existe na Criação. Todas as formas de energia possuem estas duas polaridades, opostas e complementares. Uma contém a outra e quando uma chega a um limite de manifestação transforma-se na outra, seu oposto complementar

Aprender a pensar é aprender a viver. Se não somos mestres do nosso próprio pensamento, seremos mestres de quê?...”

Vera Faria Leal, O Poder do Amor(Planeta Editora) e O Segredo para Além de “O Segredo” (DVD)

http://www.umavidamelhor.pt

___________________________________________

(Copiado directamente do blogue: http://a-caminho-da-luz.blogspot.com/2008/04/leis-universais.html)
Imagem: www.tropicalisland.de/JKT%20Yogjakarta%20Boro...