sábado, 5 de janeiro de 2008

O MÉTODO LOUISE HAY NA MINHA VIDA


O meu primeiro contacto com a obra de Louise Hay coincidiu exactamente com a entrada de Urano em trânsito na casa 3 do meu mapa astrológico, a casa da mente. Urano é o planeta das novas ideias, da libertação do antigo para dar lugar ao novo. E foi isso que aconteceu com a entrada da perspectiva Louise Hay na minha vida. O primeiro livro dela que li foi PODE CURAR A SUA VIDA, numa altura em que, precisamente, já admitia que a minha vida precisava mesmo de uma boa cura.

Para mim, tudo o que ali se afirmava fazia sentido, até porque enfatizava a necessidade de perdoar, de libertar o passado, de nos validarmos a nós próprios (particularmente a nós próprias!) e de nos responsabilizarmos pela nossa própria vida antes de mais nada. Era uma bombinha de energia.

Foi a primeira autora do género que li, mas já tinha intuído há muito que o observador tem uma responsabilidade enorme na criação da realidade em que vive.

Entretanto, tudo se encaminhou, nomeadamente a constituição de um grupo de pessoas interessadas, na cidade onde vivo, e fiz o primeiro curso de 10 semanas com Vera Faria, no ano 2000. Éramos 14 e reuníamo-nos aos sábados à tarde em casa de uma amiga. Foram momentos muito intensos, em que a proposta era avançarmos para além dos nossos bloqueios, confrontarmo-nos com as nossas dores de alma, aceitarmos a nossa fragilidade, como única via possível para o encontro da verdadeira força. Primeiro custava, custava partilhar, custava abrir o coração; porém, vencida essa resistência, sentia-se um alívio tão grande como quando nos soltamos de correntes que nos aperreiam e estrangulam. Depois, melhor ainda do que o alívio, é a doçura que se sente no coração, o amor imenso por aquelas pessoas que estão ali connosco e que no fundo, vencidos os medos e preconceitos, as diferenças exteriores, são iguais a nós, são NÓS mesmas(os), aliás. Os mesmos medos, as mesmas feridas, os mesmos sonhos e anseios... A qualidade do amor que sentimos então é mesmo a do tal Amor Incondicional.

Esta é sem dúvida a grande mais-valia do Método Louise Hay. É que, mais importante do que as tácticas para adquirirmos mais autoconfiança, mais auto-estima, enfrentarmos e vencermos obstáculos, a grande proposta é a abertura do coração, daí o símbolo escolhido por Louise Hay.

Depois desta experiência, não voltamos a ser a mesma pessoa, nem a nossa vida volta a ser a mesma. A minha não voltou. Com o Método, passei a viver a partir de uma certeza poderosa: a responsabilidade pela minha vida é minha e só minha. Isto deu-me a dimensão do meu poder. E também me remeteu para outras terapias, outras leituras, outros estudos, porque o trabalho sobre nós próprios é exigente... Depois vão-se fazendo os necessários ajustes, e vamos constatando que, quando aplicamos os princípios que o Método nos ensinou, tudo funciona de outra maneira.

Um dos aspectos da minha vida que mais beneficiaram foi sem dúvida o meu desempenho profissional e a minha relação com todos aqueles com quem interajo no meu trabalho. Embora já gostasse do que fazia, passei a fazê-lo com um outro sentido, um sentido de serviço, o que faz uma grande diferença. Passei também a sentir que contava enquanto pessoa; passei a levar a sério a importância vital de termos voz própria, de sabermos mesmo quem somos, em que é que acreditamos e que qualidade especial viemos trazer ao mundo.

A certa altura senti que também já podia estar do outro lado, e facilitar o processo de outras pessoas. Tive então aqueles cinco dias de paraíso, nas Murtas, naquela dimensão que não sabíamos que era possível encontrar aqui sobre a Terra até a termos experimentado... Por isso estarei para sempre grata a Vera Faria.

Ser facilitadora é um privilégio, pois ver as outras pessoas a crescerem e a abrirem-se a uma dimensão de maior leveza, harmonia e força é também uma maneira de actualizarmos e de reforçarmos em nós essas qualidades.

Ter-me sido solicitado o meu testemunho para fazer parte deste livro tão especial deu-me imensa alegria, pela sensação de integrar assim, de forma mais efectiva, uma comunidade muito bonita, forte e poderosa de Hay Teachers, prontas a darem o seu contributo para que haja mais Luz neste mundo.

Agradeço muito à vida por esta bênção.

(O meu testemunho no livro UM SÓ CORAÇÃO, da Ariana Editora, 2007)

Este poste acaba de ter parcialmente transcrito no blogue MULHERES E DEUSAS, recentemente reestruturado, que se apresenta cheio de energia e de belos textos dedicados ao feminino. Agradeço-lhes a referência e o interesse despertado.

2 comentários:

Durga disse...

Parabens Luisa por este testemunho maravilhoso e emotivo, tomei a liberdade de o colocar hoje no nosso blog pois o considero muito importante enquanto mensagem e coloquei tambem o proximo curso.

Grata por tudo e pela sua contribuicao na evolucao do Ser Humano

Bom fim de semana

Ana

Luíza Frazão disse...

Obrigada pela solidariedade.
Vale a pena ler os testemunhos das outras autoras do livro, ainda porventura mais emotivos... Todos diferentes e todos no fundo iguais. O conjunto das vivências ficou poderoso e trata-se de um belo livro.

É também com prazer que leio o vosso blogue.

Um abraço.

Luíza