domingo, 27 de janeiro de 2008

MENSAGEM URGENTE DE NUNO MICHAELS

"Hoje quero falar sobre o que tenho vindo a observar à minha volta nas energias colectivas e nas efemérides planetárias.

Amanhã, dia 8 de Janeiro, há uma Lua Nova no grau 17º de Capricórnio.

Mercúrio estará a passar de Capricórnio para Aquário.

Júpiter está em Capricórnio.

Saturno está em Virgem, e Urano continua o seu trânsito por Peixes.

Neptuno continua o seu trânsito por Aquário e Plutão no dia 26 atinge o grau 0 (zero) de Capricórnio. A entrada de Plutão em Capricórnio é um acontecimento que não ocorre desde há cerca de duzentos e cinquenta anos.

E o que é curioso é que da vez anterior que Plutão passou por Capricórnio ainda não era conhecido. E quando foi avistado, por um senhor chamado Percival Lowell no ano de 1930, ele transitava o signo de Caranguejo – o signo oposto e complementar de Capricórnio, onde se prepara para entrar.

Durante todo este ano Plutão vai estar a passar entre os graus 29 de Sagitário e o grau 1 de Capricórnio.

Os últimos anos, da passagem de Plutão por Sagitário, têm sido anos de tremendo drama. Drama, ou dramas, que emergiram essencialmente da desorientação espiritual da Humanidade, obrigando a rever valores e ir em busca de novos valores. Por isso nós estamos aqui, em busca de novas referências e valores espirituais.

Tivemos 13 anos da passagem de Plutão por Sagitário. E agora, o último ano em que Plutão passa por Sagitário nesta nossa encarnação, é altura de começar a dar forma (Capricórnio) àquilo que é a Verdade da nossa AlmaIsto implica que nós temos todos de rever as estruturas nas nossas vidas pessoais.

Isto implica também termos um vislumbre de quem queremos ser, de em quem nos queremos tornar.

A passagem de Saturno em Virgem diz “quais são os conhecimentos, as técnicas, as ferramentas, as actividades, as rotinas diárias, a higiene, o exercício, o cuidado da psique através da soma, ou do corpo, o que é que tu precisas de reunir e construir como técnica, ferramenta, conhecimento, disciplina, organização da vida prática, de modo a poderes começar a lançar as pedras basilares da nova estrutura que queres criar de ti próprio, em ti próprio, na tua vida?”

Nós sentimos quotidianamente as tensões tremendas que existem nos Céus. Marte oposto a Plutão. Observamos os dramas de criminalidade, frustração, desmarcarem o Lisboa-Dakar, máfias a serem descobertas no nosso país, o sub-mundo e a violência da noite, a revolta das pessoas contra as novas proibições do tabaco, a guerra que continua nos países todos, a maneira como as pessoas conduzem, a quantidade de ambulâncias que circulam diariamente nas estradas da cidade… Existe muita tensão. E essa tensão tem a ver com o processo de alinhamento que é pedido a todos mas nem todos podem responder. E esse alinhamento é o dos desejos do ego, da personalidade, com a Vontade da Alma…"

Leia mais em: http://www.talvez.net/nunomichaels/editorial.php

Imagem: joaon.weblogs.us/.../uploads/2006/08/Plutao.jpg


sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

O que é Resiliência?


Resiliência é um conceito da física, utilizado primeiramente pela engenharia, que se refere à capacidade de um material sofrer tensão e recuperar o seu estado normal, quando suspenso o "estado de risco".

No campo das relações humanas, é compreendido como um processo que excede a simples superação de experiências, já que permite ao indivíduo sair fortalecido por elas, superar, o que necessariamente promoveria a saúde mental.

O termo Resiliência, apesar de permitir uma discussão a respeito da sua definição, vem sendo consensualmente utilizado como a capacidade humana para enfrentar, vencer e ser fortalecido ou transformado por experiências de adversidade. Tem sido utilizado em psicologia como a capacidade humana de enfrentar adversidades sucessivas ou acumuladas, com o mínimo de disfuncionalidade para o desenvolvimento.

A resiliência pode ser pensada como capacidade de adaptação ou faculdade de recuperação. Uma atitude resiliente significa ter uma conduta positiva apesar das adversidades, ou seja, soma-se à resiliência a capacidade de construção positiva, superação, re-significação dos problemas, flexibilidade cognitiva.

Este constructo apesar de atual, nas ciências humanas, não é apenas um fenómeno individual, pode ser grupal, institucional, comunitário e por que não empresarial.
A resiliência é ativada e desencadeia um processo positivo de construção, através da vivência das pessoas, instituições ou empresas. Fatores como: alcançar resultados positivos em situações de alto risco, manter competência sob ameaças e, no caso de empresas, a ataques de concorrentes, ou enfrentar situações inesperadas revertendo-as a seu favor, são como recuperar de traumas.

As pesquisas cada vez mais aprofundadas em resiliência mudaram a forma como se percebe o ser humano, saindo de um modelo de risco, baseado nas necessidades e na doença, para um modelo de prevenção e promoção, baseado nas potencialidades e recursos que o ser humano tem em si mesmo e ao seu redor, considerando o indivíduo agente de sua própria ecologia e adaptação social. Nesta nova concepção, o indivíduo não apenas carece e adoece, mas é capaz de procurar os seus percursos e sair fortalecido das adversidades.

A resiliência não pode ser confundida com invulnerabilidade. Ser resiliente não é ser invulnerável, não significa dizer que em outras circunstâncias o indivíduo não se abateria, pelo contrário, é ter a capacidade de se reerguer depois de atingido, de adaptar-se positivamente ao que lhe foi imposto, extraindo experiência das situações difíceis, enriquecendo de maneira única a vivência do indivíduo ou da empresa, e depois utilizar essa aprendizagem para reverter a situação a seu favor.”

Autor : Ingrid Pecorelli (adaptado)

in http://pt.shvoong.com

__________________________________________________________________


Principais traços de personalidade e atributos do indivíduo resiliente (Flach, 1991):

· Uma forte auto-estima
· Sentido de humor
· Independência de pensamento e ação, sem medo de depender dos outros ou relutância em fazê-lo
· Capacidade de trocas nas relações, um grupo estável de amigos (inclusive alguns confidentes)
· Grande disciplina pessoal e sentido de responsabilidade
· Reconhecimento e desenvolvimento de dons e talentos pessoais
· Auto-respeito
· Criatividade

∙ Habilidade para recuperar a auto-estima quando esta estiver diminuída ou temporariamente perdida
· Capacidade para aprender
· Capacidade para tolerar a dor, grande tolerância ao sofrimento
· Abertura e receptividade para novas ideias
· Disposição para sonhar
· Uma vasta gama de interesses
· Insight a respeito dos próprios sentimentos e percepção dos sentimentos dos outros, e a capacidade para comunicar estas opiniões de maneira adequada
· Flexibilidade

· Concentração, um compromisso com a vida, e um contexto filosófico no qual as experiências pessoais possam ser interpretadas com significado e esperança, até mesmo nos momentos mais desalentadores da vida.”

http://allangois.blogspot.com/ (texto e imagem)


quinta-feira, 10 de janeiro de 2008

O SEGREDO...


“O filme Quem Somos Nós? colocou-nos diante das descobertas feitas pela neurociência de como se transmitem pelo nosso corpo impulsos originados pelo pensamento e pelas emoções. E vimo-nos diante do imenso reservatório de poder que possuímos e não sabemos utilizar. Ao invés de ‘pensar’ e ‘sentir’, somos pensados e sentidos, ou seja, colocamo-nos passivamente diante de um poderoso mecanismo mental sobre o qual deveríamos exercer total domínio. É como se fôssemos os pilotos de um fantástico Boeing, que é a nossa mente, mas viajássemos como passageiros na classe turística. Não sabemos ainda o quanto podemos fazer com o cérebro que possuímos, nem como administrar a sua infinita potencialidade.

O livro/filme O Segredo contém o depoimento de pessoas que aprenderam a usar o seu poder mental. Na história da humanidade, as pessoas que souberam como usar esse poder tornaram-se líderes, dirigentes, mestres ou profetas. Tratados sobre a evolução da consciência foram desde sempre temas das grandes tradições místicas, como o Yoga, o budismo, o sufismo, o tantrismo, etc. A psicologia da consciência data de há mais de 5.000 anos.

Na tradição yogui, por exemplo, Patanjali delineia oito passos para se obter estados expandidos da consciência. Esses passos enfatizam o trabalho psicológico sobre o comportamento, mudança de valores e atitudes, exercícios corporais, o controle da respiração e o trabalho sobre a atenção, a concentração e a meditação.

Em todas estas tradições, o objectivo é a expansão da consciência até ao estado supremo, que para o hinduísmo é chamado ‘samadhi’, para o budismo é a ‘iluminação’, para o budismo tibetano é o estado de ‘bodhicitta’ ou ‘mente de Buda’, para o cristianismo primitivo seria a ‘consciência crística’. Hoje esses estados são mapeados pela Psicologia Transpessoal que utiliza uma nova linguagem para falar da ‘consciência cósmica’.

A Psicologia Transpessoal evoluiu a partir de estudos de William James, de Maslow e de Jung, entre outros, que enfrentaram os preconceitos cientificistas do mundo académico e falaram de um anseio pela espiritualidade, de uma atitude religiosa diante da vida e da natureza, de experiências ‘de pico’ ou culminantes da consciência, da realização do Self como o Deus dentro de cada um. Desde então, a Psicologia Transpessoal emergiu como uma nova corrente em psicologia que investiga e aplica os métodos de expansão da consciência.

Isso coloca-a no centro das questões apresentadas pelo livro/filme O Segredo. Para dominarmos a Lei da Atracção, precisamos de nos conhecer melhor, de ter autodomínio sobre as emoções e sobre os pensamentos. Vivemos num campo electromagnético onde impera a Lei da Atracção. Os nossos pensamentos são forças electromagnéticas que atraem aquilo em que pensamos. Até mesmo nos nossos traços visuais mais simples: na nossa aparência, somos o que pensamos. Isto é apenas a manifestação de um princípio que diz que os pensamentos criam a realidade que queremos. Quando pensamos, emitimos simultaneamente uma onda que tem determinada frequência. Esta onda é um sinal que irá atrair um sinal semelhante.

A Lei da Atracção é neutra. Ela simplesmente responde ao que pensamos. Quer digamos sim ou não a uma coisa, estamos a dar-lhe atenção e a atraí-la para nós. Esse mecanismo funciona 24 horas por dia.

Para saber o que tem atraído para a sua vida, observe as suas emoções. Os nossos sentimentos são como um termómetro que nos informa sobre como estamos alinhados com os nossos pensamentos. Uma pessoa que se sente infeliz, não realizada, cheia de ressentimentos, medos e mágoas, demonstra que os seus pensamentos são negativos e pessimistas. Não importa a causa externa – se é que há uma. Tudo o que há é o que atraímos para o nosso campo electromagnético e para a nossa própria realidade.

O segredo é que a nossa consciência é multidimensional. Disto já sabiam os magos, os sábios, os alquimistas do passado. Eles faziam “milagres” não porque eram seres sobrenaturais, mas porque sabiam usar este segredo e operá-lo com mestria.

O mais extraordinário é que isto não se tornou um segredo porque não quisessem compartilhá-lo com alguém; é que não há como compreender esta Lei sem experienciá-la. É só pela experiência que ela é aprendida. E a experiência coloca-nos em contacto direto com os múltiplos níveis de consciência, separados entre si por um ténue véu. É como se fossem linguagens diferentes. Da mesma forma, os nossos sonhos parecem-nos estranhos porque se passam num outro domínio da nossa mente

Muitas pessoas questionam-se sobre se é lícito utilizar esta Lei em benefício próprio. Este é um típico raciocínio da terceira dimensão, o mundo da dualidade e da separação. A perfeita compreensão da Lei da Atracção transforma as pessoas em seres éticos e compassivos. Se quero o bem para mim, este bem estende-se para o Todo. Frequências energéticas vibram em pólos positivos ou negativos. Quando alinho os meus pensamentos e sentimentos com o pólo positivo, espontaneamente sou preenchida por vibrações de amor, gratidão, alegria, entusiasmo. Como não existe separação entre mim e o outro, o que sinto todos sentem. O que atraio para mim, atraio também para os outros. Quando compreendemos isto, percebemos a nossa responsabilidade social em relação a tudo o que pensamos e sentimos.

Há os que se queixam de que pedem, desejam, oram e não conseguem realizar os seus anseios. Isto demonstra que há uma contradição interna entre o que se pensa e o que se sente. É difícil mudar o curso de um barco quando estamos indo a toda velocidade numa direcção. Somos hoje o resultado do que pensámos e sentimos ontem. Amanhã seremos o que tivermos feito com os nossos pensamentos e sentimentos hoje. É sempre tempo de plantar. Mas há um tempo para colher. Uma forma de acelerar o processo é preencher a mente com o sentimento de gratidão. Agradecer todas as manhãs e todas as noites por tudo o que aconteceu, tudo o que se tem, tudo o que se fez. Jamais se prender ao que não correu bem. Lembrar sempre a Lei da Atracção.

Uma outra maneira de atrair o que se deseja é visualizar sempre o facto já realizado. Na quarta dimensão só há o tempo do agora. Passado e futuro pertencem à terceira dimensão. E quando esta visão do facto realizado no presente preencher o seu coração sinta profundamente a emoção de ter realizado o seu sonho. E agradeça. A gratidão é uma força magnética poderosa. Juntamente com a imaginação, constituem um dos maiores tesouros que possuímos.

Durante muito tempo deixámo-nos alienar por interesses escusos e maléficos, identificámo-nos com a ideia de que somos seres insignificantes e impotentes, e que nada podemos fazer por nós mesmos. Isso não é verdade. Existem métodos para retomar o poder sobre as nossas vidas. O futuro está nas nossas mentes."

Mani Álvarez

Doutora em Filosofia da Educação e autora do livro “Psicologia Transpessoal: a aliança entre espiritualidade e ciência”.

(Retirado do blog Encontro-Consigo, texto adaptado)

IMAGEM: 164.photobucket.com/albums/u21/AznAishah/Pow...


segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

PERMACULTURA - viver em harmonia com o planeta


Acabo de saber que existe uma actividade denominada PERMACULTURA, que me parece muito digna de atenção...

Abraçar as árvores


Texto de Catarina Portas, publicado no jornal Público do último sábado:

“As torres tinham caído há pouco. E ela vira-as cair nessa manhã, daquela mesma janela na sala onde nos encontrávamos, Nova York downtown. Assistira ao mundo mais próximo a ruir diante dos seus olhos, a desmoronar-se em fumo, poeira, fragor e desolação imensa. E foi então que me contou isto, isto que nunca mais me saiu da cabeça: “Nesses dias a seguir, caminhei até ao parque. E abracei as árvores. Só me apetecia abraçar as árvores. Não estava sozinha, aliás. Havia mais pessoas a abraçar as árvores, ali no parque”.

Lembro-me muitas vezes desta imagem, de gente desnorteada, exausta e confusa, seres atarantados com a vida trocada à sua volta, a rodear troncos de árvores com os seus braços num gesto de desespero por consolo, tentando reencontrar alguma ligação perdida com o essencial do mundo, uma certeza e uma estabilidade que, por vezes, só mesmo a natureza nos dá. Por uma simples razão, não muito difícil de adivinhar: a natureza é o que conhecemos de mais vivo e perene.

Ontem, abri este jornal e encontrei o Olímpio numa fotografia enorme, tão maior que a sua habitual discrição e timidez. O Olímpio morreu e eu não soube, naturalmente não soube, que não tinha que saber porque não era sua amiga chegada, apenas amiga do seu amigo, mas nunca deixou de me comover o seu amor pelos livros ao longo dos anos em que fui seguindo o seu trabalho e nos cruzámos pelas ruas curtas da cidade. E nesse instante em que abri o jornal e soube da sua morte inesperada e fulminante, nesses momentos em que notícias drásticas dão connosco em momentos mais frágeis do que é habitual, parece que o mundo pára de girar por um instante. E eu lembrei-me da minha amiga daquela noite ao contar-me das suas árvores abraçadas.

Por razões que também vêm aqui ao caso, fiquei a pensar em abraços. Como, quando e porquê nos surge essa vontade de apertar os outros nos nossos braços. Embora os franceses misturem as coisas e s’embrassent para se beijarem, tenho claro que a essência do abraço não é amorosa. Acontece por vezes em momentos de exaustão com a vida, tristeza e solidão e podemos abraçar alguém nesses instantes como quem abraça o mundo. Mas sucede, outras vezes, com intensidade igual em momentos de felicidade, comunhão, pacificação ou brilhante amizade, como partilha ou dádiva, a quem sabe acompanhar-nos, acolher-nos, cuidar de nós – e ser feliz connosco. Como um absoluto agradecimento pela existência de momentos quentes como o Verão quando a vida nos parece mais invernosa. “Aquele abraço”, claro, como cantava o Chico Buarque.
Nunca é tarde demais para abraçarmos aqueles de quem gostamos. Mesmo que não o seja em carne e osso e só apenas assim, por palavras.”

Catarina Portas, Público, 5 de Janeiro 2008

Imagem: osonhocomandaavida.blogs.sapo.pt

sábado, 5 de janeiro de 2008

O MÉTODO LOUISE HAY NA MINHA VIDA


O meu primeiro contacto com a obra de Louise Hay coincidiu exactamente com a entrada de Urano em trânsito na casa 3 do meu mapa astrológico, a casa da mente. Urano é o planeta das novas ideias, da libertação do antigo para dar lugar ao novo. E foi isso que aconteceu com a entrada da perspectiva Louise Hay na minha vida. O primeiro livro dela que li foi PODE CURAR A SUA VIDA, numa altura em que, precisamente, já admitia que a minha vida precisava mesmo de uma boa cura.

Para mim, tudo o que ali se afirmava fazia sentido, até porque enfatizava a necessidade de perdoar, de libertar o passado, de nos validarmos a nós próprios (particularmente a nós próprias!) e de nos responsabilizarmos pela nossa própria vida antes de mais nada. Era uma bombinha de energia.

Foi a primeira autora do género que li, mas já tinha intuído há muito que o observador tem uma responsabilidade enorme na criação da realidade em que vive.

Entretanto, tudo se encaminhou, nomeadamente a constituição de um grupo de pessoas interessadas, na cidade onde vivo, e fiz o primeiro curso de 10 semanas com Vera Faria, no ano 2000. Éramos 14 e reuníamo-nos aos sábados à tarde em casa de uma amiga. Foram momentos muito intensos, em que a proposta era avançarmos para além dos nossos bloqueios, confrontarmo-nos com as nossas dores de alma, aceitarmos a nossa fragilidade, como única via possível para o encontro da verdadeira força. Primeiro custava, custava partilhar, custava abrir o coração; porém, vencida essa resistência, sentia-se um alívio tão grande como quando nos soltamos de correntes que nos aperreiam e estrangulam. Depois, melhor ainda do que o alívio, é a doçura que se sente no coração, o amor imenso por aquelas pessoas que estão ali connosco e que no fundo, vencidos os medos e preconceitos, as diferenças exteriores, são iguais a nós, são NÓS mesmas(os), aliás. Os mesmos medos, as mesmas feridas, os mesmos sonhos e anseios... A qualidade do amor que sentimos então é mesmo a do tal Amor Incondicional.

Esta é sem dúvida a grande mais-valia do Método Louise Hay. É que, mais importante do que as tácticas para adquirirmos mais autoconfiança, mais auto-estima, enfrentarmos e vencermos obstáculos, a grande proposta é a abertura do coração, daí o símbolo escolhido por Louise Hay.

Depois desta experiência, não voltamos a ser a mesma pessoa, nem a nossa vida volta a ser a mesma. A minha não voltou. Com o Método, passei a viver a partir de uma certeza poderosa: a responsabilidade pela minha vida é minha e só minha. Isto deu-me a dimensão do meu poder. E também me remeteu para outras terapias, outras leituras, outros estudos, porque o trabalho sobre nós próprios é exigente... Depois vão-se fazendo os necessários ajustes, e vamos constatando que, quando aplicamos os princípios que o Método nos ensinou, tudo funciona de outra maneira.

Um dos aspectos da minha vida que mais beneficiaram foi sem dúvida o meu desempenho profissional e a minha relação com todos aqueles com quem interajo no meu trabalho. Embora já gostasse do que fazia, passei a fazê-lo com um outro sentido, um sentido de serviço, o que faz uma grande diferença. Passei também a sentir que contava enquanto pessoa; passei a levar a sério a importância vital de termos voz própria, de sabermos mesmo quem somos, em que é que acreditamos e que qualidade especial viemos trazer ao mundo.

A certa altura senti que também já podia estar do outro lado, e facilitar o processo de outras pessoas. Tive então aqueles cinco dias de paraíso, nas Murtas, naquela dimensão que não sabíamos que era possível encontrar aqui sobre a Terra até a termos experimentado... Por isso estarei para sempre grata a Vera Faria.

Ser facilitadora é um privilégio, pois ver as outras pessoas a crescerem e a abrirem-se a uma dimensão de maior leveza, harmonia e força é também uma maneira de actualizarmos e de reforçarmos em nós essas qualidades.

Ter-me sido solicitado o meu testemunho para fazer parte deste livro tão especial deu-me imensa alegria, pela sensação de integrar assim, de forma mais efectiva, uma comunidade muito bonita, forte e poderosa de Hay Teachers, prontas a darem o seu contributo para que haja mais Luz neste mundo.

Agradeço muito à vida por esta bênção.

(O meu testemunho no livro UM SÓ CORAÇÃO, da Ariana Editora, 2007)

Este poste acaba de ter parcialmente transcrito no blogue MULHERES E DEUSAS, recentemente reestruturado, que se apresenta cheio de energia e de belos textos dedicados ao feminino. Agradeço-lhes a referência e o interesse despertado.