quarta-feira, 17 de outubro de 2007

A Mulher Afrodite


Com Afrodite como arquétipo (altamente) dominante, a imagem de Marilyn Monroe continua a ser um manancial inesgotável de sensualidade, de beleza e de graça para a humanidade.

Apesar de tudo isso, a força deste arquétipo é das mais incompreendidas, desrespeitadas e maltratadas pela sociedade patriarcal - "rejeição do vínculo entre a sexualidade e a alma" (Nathalie Durel Lima, in O Feminino Reencontrado)

Imagem: profile.myspace.com

A Deusa Ferida em Todas Nós

Gaia - "preexiste a tudo, até ao próprio tempo. Gaia, a eterna, deusa maternal da terra pré-histórica, encarna a fertilidade misteriosa, húmida e activa." *

"É urgente, portanto, que compreendamos a natureza e a condição dos arquétipos femininos que estão despontando do inconsciente colectivo da nossa cultura. A primeira coisa que notamos é que, como qualquer pessoa que foi encarcerada, exilada, vituperada e caluniada, as deusas, ao serem restauradas nas consciências como princípios psico-espirituais, frequentemente parecem fracas, confusas, magoadas e feridas. Esses ferimentos devem-se ao tratamento áspero e cruel que receberam nas mãos da repressão patriarcal: Afrodite envergonha-se da sua sexualidade; Atena questiona a sua capacidade de pensar; Hera duvida do seu próprio poder; Deméter desconfia da sua fertilidade; Perséfone nega as suas visões; Ártemis não sabe interpretar a sua sabedoria corporal instintiva. Isso, e muito mais, é o legado do exílio psíquico do feminino.
Quando começarmos a examinar em detalhe a psicologia de cada uma das deusas, deveremos prestar atenção especial àquilo a que chamamos chagas das deusas; as mágoas profundas que todas elas sofreram, ferimentos que lhes foram infringidos durante a longa história da batalha psicológica pela supremacia, empreendida pelas forças masculinas na nossa cultura ocidental. Não importa se essas
chagas surgiram pela primeira vez com a hegemonia guerreira dos gregos antigos, com o imperialismo dos romanos ou com o medo puritano do feminino e do corpo entre certas facções do cristianismo.
A nós urge perguntar porque é que toda a mulher actual carrega dentro de si resquícios da chaga de uma deusa específica, que se vem apostemando há quase três milénios."
(in A Deusa Interior, Roger J. Woolgler, Ph. D. - filósofo e psicólogo junguiano, Ed.Cultrix)

in: http://terapiadamulher.blog.com/
*http://groups.msn.com/TaMissiondeVie2/lesdesses.msnw