terça-feira, 25 de setembro de 2007

SATURNO

Imagem: Somos Todos Um, Web

Os estudos que fiz no domínio da Astrologia deixaram-me fascinada com esta linguagem tão sábia, tão expressiva e tão exacta, que nos fala de aspectos de nós de que precisamos muito de tomar consciência...

“Em regra, ele é tido como aquele que traz limitação, frustração, trabalho penoso e renúncia; e até mesmo o seu lado mais brilhante está normalmente ligado à sabedoria e à autodisciplina da pessoa que não tira o nariz do seu trabalho e não comete a “atrocidade” de rir para a vida. Pelo signo e pela casa que ocupa, Saturno indica aquelas áreas de vida nas quais é provável que o indivíduo venha a sentir-se frustrado na sua auto-expressão, e onde é muito provável que ele sofra decepções e enfrente dificuldades. Em muitos casos, Saturno dá a impressão de estar relacionado com circunstâncias dolorosas, que não parecem ter ligação com qualquer fraqueza ou imperfeição da parte da própria pessoa, mas que simplesmente “acontecem”, acarretando desse modo a este planeta o título de “Senhor do Carma”. Esta avaliação bastante depressiva permanece associada a Saturno a despeito do mais antigo e repetido dos ensinamentos, aquele que nos diz que ele é o Habitante do Umbral, o guardião das chaves do portão, e que somente através dele é que podemos eventualmente alcançar a libertação por meio da autocompreensão.
As experiências frustrantes associadas a Saturno são obviamente necessárias, uma vez que são educativas tanto num sentido prático como num sentido psicológico. Não importa se usamos uma terminologia psicológica ou esotérica, o facto básico permanece o mesmo: os seres humanos só conquistam o livre arbítrio através do autoconhecimento e só procuram esse autoconhecimento quando as coisas se tornam tão dolorosas a ponto de não lhes permitir outra escolha. (...)
Qualquer um que encontre prazer na sua dor é considerado masoquista; contudo, o que Saturno promove não é o prazer da dor, mas, antes, a alegria da libertação psicológica.”

Liz Greene, Saturno, Editora Pensamento


4 comentários:

Minita disse...

A informação é imensa. Os assuntos interessantes (e úteis), mas não consigo acompanhar "tamanha pedalada" de produtção.
Obrigada pelos textos e imagens que ofereces.

Isabel Faria disse...

Querida Luísa,

Os temas que tens abordado são realmente muito interesantes, com imensa riqueza e alimento para a alma. Mas gostava de, de vez em qando, ver textos e comentários teus relacionados com o método de Louise Hay; tens tanto para dar e dizer no que diz respeito a este assunto!! É apenas um pequeno desabafo meu!
Obrigada por tudo e beijinhos
Isabel

Luíza Frazão disse...

Saturno, de facto, é assim mesmo: desencadeia os MAS... Obrigada.
Na verdade, há muito para dizer sobre o Método L.A. Mas acontece que também o há sobre a questão da urgência da valorização do FEMININO neste mundo e nesta cultura, que, sem ele, arrisca-se a não conseguir sobreviver... O meu entendimento actual sobre esta questão leva-me a dar-lhe grande parte da minha energia. Pensar, como por vezes acontece, que as mulheres já "conquistaram tudo o que tinham para conquistar" é um equívoco muito grande... "A huamnidade vive no mesmo desequilíbrio em que viveria alguém que apenas tivesse um dos seus hemisférios muito desenvolvido em detrimento do outro"...
Toda esta ênfase no FEMININO, que, em última análise é a nossa própria ALMA, vai, de resto, no mesmo sentido daquilo que aprendemos com Louise Hay.
Um grande abraço para ti.
Luíza

Luíza Frazão disse...

Vou só acrescentar que no livro, que será lançado a 27 de Outubro pela editora Ariana, e que foi elaborado a partir dos testemunhos das últimas formandas de Vera Faria no Método Louise, UM SÓ CORAÇÃO,estará também o meu próprio testemunho sobre a importância desse Método para mim...